Pulse

Samba do Branquelo Doido

Rumo ao Brasil, Friendly Fires já está bem acostumado com os ritmos latinos

Por Anna Virginia Balloussier Publicado em 30/09/2009, às 10h51

Friendly Fires vem ao Brasil aperfeiçoar o ritmo
DIVULGAÇÃO

Ed MacFarlane não é apenas um branquelo inglês que mora no meio do nada. Ele é tudo isso e também vocalista do Friendly Fires. Ah, claro, além de amante incorrigível do samba. Foi em carnaval para inglês ver, literalmente, que MacFarlane entrou em contato com os ritmos brasileiros, por meio da London School of Samba, agremiação há 25 anos com licença para batucar no país europeu. Diante "da erupção de pessoas gritando, dançando loucamente", ele e os companheiros da banda tomaram gosto pela coisa. O Brasil pegou os nativos de St. Albans (distrito a norte de Londres) pelo colarinho, imprimindo a essência do país no som do trio. O verde-amarelo, é verdade, veio em tons pastel para "Jumping in the Pool" (do álbum de estreia, Friendly Fires, de 2008), mas reaparece bem mais fosforescente na recente "Kiss of Life", provável carro-chefe do segundo disco da banda, previsto para o início de 2010. Para a faixa, o FF contou com uma mãozinha do coletivo londrino Rhythms of the City, expert em percussão afro-brasileira. "Sou ignorante no assunto. Talvez até mesmo idealista. Ainda estou aprendendo sobre o Brasil", diz MacFarlane. Ele terá a chance de avançar nos estudos em agosto, com a primeira vinda do Friendly Fires ao país que tanto o inspira. Serão shows no Rio de Janeiro (dia 15) e em São Paulo (17), ambos dentro do festival Popload Gig. Por aqui, o plano é marcar uma cervejinha com a galera do Monobloco, batucada sob comando do grupo Pedro Luís e a Parede. Eles podem não ser graduados no gênero. Mas o fato é que o grupo ficou de saco cheio da mesmice na cena indie. "É fácil fazer aquele 'tum-ti-tum-ti-tum' da dance music. Queríamos produzir algo mais interessante. Diferente. E se envolver [com samba] soava... como a coisa certa a se fazer."