Fantasma Virtual

Game Guitar Hero 5 permite fazer Kurt Cobain, do Nirvana, cantar músicas de grupos como Bon Jovi e Blink-182

Por Charles R. Cross Publicado em 09/11/2009, às 15h08

FANTASMA - Kurt Cobain versão Guitar Hero 5
DIVULGAÇÃO

Esta pode se transformar na primeira ação judicial inspirada pelo uso da imagem de um roqueiro em um videogame: o espólio de Kurt Cobain ameaça abrir processo contra a maneira como o músico foi retratado em Guitar Hero 5. No jogo da Activision, Cobain é personagem "destravável", e isso significa que sua imagem pode cantar faixas de outras bandas, entre elas Bush e Bon Jovi. Apesar de o espólio ter aprovado o uso de duas músicas do Nirvana, um dos advogados de Courtney Love diz que o avatar está "denegrindo a imagem dele".

Pouco depois de o game ser lançado no início de setembro Courtney começou a expressar seu descontentamento pelo Twitter, chamando o avatar de "vil" e "necrófilo". "Esta merda de Guitar Hero é quebra de contrato", ela escreveu. "Acho que Kurt desprezaria o game por si só, não vou nem comentar sobre o avatar dele. (...) Vamos processar o rabo da Activision." Dave Grohl e Krist Novoselic, os outros integrantes do Nirvana, também expressaram sua decepção e pediram para que o jogo fosse modificado para que Cobain só aparecesse em músicas do Nirvana. "Nós não sabíamos que os jogadores tinham a possibilidade de destravar o personagem", Novoselic e Grohl declararam em um comunicado conjunto. "É difícil assistir a uma imagem de Kurt fazendo mímica da música de outros artistas, ao lado de personagens de desenho animado." Também por meio de comunicado, a Activision - que afirma não haver base para processo - responde: "Guitar Hero garantiu os direitos de licenciamento necessários junto ao espólio de Cobain em um acordo por escrito, assinado por Courtney Love".

Em agosto, a Activision anunciou que finalmente tinha conseguido fazer com que as várias partes envolvidas assinassem o contrato de cessão de direitos de "Smells Like Teen Spirit". "Foi quase uma tempestade perfeita, em que, depois de três anos de trabalho junto às partes envolvidas com a música, conseguimos concretizar alguma coisa", Tim Riley, executivo da Activision, declarou na época.

Mas Love afirma que a empresa responsável pelo game ultrapassou os limites. "A Activision não recebeu licença para usar o nome e a aparência do senhor Cobain livremente", diz Keith A. Fink, advogado de Love. Já no que diz respeito a Cobain, seus diários sugerem que ele ficaria bem menos do que feliz de ver um jogo que o mostrasse cantando "You Give Love a Bad Name" a plenos pulmões. Quando escreveu sobre Bon Jovi no final da década de 1980, ele fez uma crítica bem curta e grossa: "Do mal".