Dickie Peterson 1946-2009

Ícone alternativo e influência em diversas vertentes do rock’n’roll

Por Paulo Cavalcanti Publicado em 04/11/2009, às 17h07 - Atualizado em 10/12/2009, às 16h12

SANDY CASPERS/REDFERNS/GETTY IMAGES

O cantor e baixista, cujo nome verdadeiro era Richard Allan Peterson, fez seu nome no power trio Blue Cheer, uma das mais influentes bandas dos anos 60. O sucesso comercial do grupo foi limitado, mas quem o ouviu na época saiu fortemente influenciado. A música do Blue Cher lançou elementos para o que viria a ser o heavy metal, o stoner rock, o punk e o grunge. O grupo surgiu em São Francisco, nos Estados Unidos, em 1966, em meio à crescente cena psicodélica local. Depois de algumas mudanças de formação, firmou-se com Peterson no baixo e vocais, Paul Whaley na bateria e Leigh Stpehen na guitarra. Com esse line-up a banda lançou, no começo de 1968, o álbum Vincebus Eruptum. Ao mesmo tempo, soltou o single "Summertime Blues", cover pesado para o clássico de Eddie Cochran. Tanto o LP quanto o compacto venderam bastante e o Blue Cheer foi saudado como umas das grandes esperanças do rock. Os shows eram considerados os mais barulhentos da época. Mas o bom momento de popularidade não durou muito e o grupo logo se dispersou. Ao longo das décadas, Peterson manteve o nome Blue Cheer para apresentações ao vivo, convocando diversos músicos. O cantor também foi conhecido por seus experimentos com LSD e durante muito tempo foi viciado em heroína. Nos últimos 15 anos ele afirmava estar longe das drogas. Peterson morreu na Alemanha, onde passava a maior parte do tempo, no dia 12 de outubro, aos 63 anos, vítima de câncer na próstata e no fígado.