De Volta para Casa, mais Experientes

Cascadura deixa São Paulo e retorna a Salvador para gravar o quinto disco

Por Cirilo Dias Publicado em 11/01/2010, às 09h54

O Cascadura, com Fábio (o segundo, a partir da esq.)
RICARDO PRADO

Quando decidiu se mudar para São Paulo, o guitarrista e vocalista Fábio Cascadura não poderia imaginar que o impacto da cidade cinza pudesse mudar para sempre sua personalidade, e a de sua banda, a então Dr. Cascadura. Era 2003 e o circuito da baixa Augusta começava a ganhar os ares de hype que tem hoje. "Para você ter ideia, nós fomos uma das primeiras bandas a tocar na [casa noturna] Outs. Eles nem tinham equipamentos de som para receber bandas. Se hoje a galera reclama que é difícil marcar shows, imagine naquela época", diz Fábio, que resiste bravamente a todas as mudanças de formação da banda desde quando foi fundada em 1992.

Mas a maior dificuldade encontrada pelo grupo foi mostrar que uma banda do Nordeste pode fazer um rock cru, sem referências folclóricas, frustrando em um primeiro momento aqueles que esperavam algo a mais do grupo baiano. E assim o Cascadura se consolidou como um dos grupos de rock mais respeitados da cena independente, capaz de lotar shows e se tornar um celeiro de talentos, exportando músicos para outras bandas, como o guitarrista Martin, que hoje faz parte da banda da conterrânea e amiga Pitty.

Em 2006, depois de lançar seu quarto disco, Bogary, o Cascadura resolveu voltar para casa e fazer as pazes com a terra natal, aplicando em um novo trabalho toda a experiência cinzenta aprendida às duras penas na capital paulista."O Bogary foi gerado durante esse processo todo. São Paulo nos recebeu de forma respeitosa e trabalhamos bastante durante três anos. Serviu para nos mostrar o tanto que a gente mantinha de nossa cidade natal e não percebíamos", confessa Fábio.

Enquanto se prepara para o lançamento do documentário Efeito Bogary, primeiro título do selo Pianoforte (parceria de integrantes do grupo com o produtor André T.), Fábio Cascadura e seus companheiros Candido Sotto (guitarra), Tiago Aziz (baixo) e Thiago Trad (bateria) já começam a preparar o sucessor do elogiado quarto álbum. "O anterior recebeu esse agraciamento das pessoas e agora a gente quer tentar construir uma história diferente. Estamos em Salvador, investindo na cidade toda a carga e o recurso que acumulamos. Está na hora de fazermos um disco do Cascadura olhando da Bahia para o mundo. E provavelmente devemos lança-lo no segundo semestre de 2010."