Mombojó

Por Tiago Agostini Publicado em 16/03/2010, às 08h20

Álbum Amigo do Tempo

Previsto para Abril

"De certa forma nós voltamos a ser iniciantes no terceiro disco", explica Felipe, vocalista e guitarrista do Mombojó, sobre a opção da banda em co-produzir o terceiro disco, que está sendo finalizado. "Vai ser inevitável aparecer alguns erros, é nossa primeira experiência com isso", assume. A banda começou a gravar o disco no início de 2009, indo para o sítio da namorada de Felipe na cidade de Aldeia, próximo a Recife. As sessões, que a princípio seriam apenas ensaios, acabaram sendo a base do próximo disco - a banda refez algumas poucas coisas em estúdio, como baterias e vozes. "No final foi uma experiência muito boa participarmos de todo o processo, coisa que não fazíamos antes quando estávamos na Trama", analisa o tecladista Chiquinho. No total, são 11 músicas, cinco delas coproduzidas em parceria com o baterista da Nação Zumbi, Pupilo.

Em 2007, o flautista da banda, Rafael, morreu de ataque cardíaco, pegando a banda de surpresa. "Enfrentamos tudo isso juntos, a morte do Rafa, um grande período sem shows ou ensaios. E isso nos deixou mais unidos e fortes para este terceiro disco", reflete Felipe. As perdas nos fizeram amadurecer não só como pessoas, mas como músicos. "Cada um teve que assumir novos instrumentos, sempre respeitando o espaço do outro", conta Chiquinho. O resultado foi um trabalho mais dançante, segundo Felipe, com elementos característicos do Mombojó que nenhum deles sabe explicar ao certo quais são. Chiquinho arrisca um palpite pelo elemento visual sensitivo. "Fazemos as músicas pensando em um clipe pra ela, com tal luz, a gente vestido de monstro, coisas assim. Um dia ainda queremos fazer um disco como um longa-metragem."