Pesado e com Clima de Anos 90

Turnê de retorno leva o Stone Temple Pilots ao primeiro álbum da banda em nove anos

Por Steve Appleford Publicado em 11/05/2010, às 06h10

FLASHBACK Quase uma década depois, o STP volta fazendo o mesmo tipo de som
Ari Michelson

Álbum Stone Temple Pilots

Previsto para 25 de maio

Quando o Stone Temple Pilots começou as gravações de seu primeiro álbum desde 2001, Scott Weiland queria trabalhar sozinho. Por isso, gravou os vocais na privacidade de seu Lavish Studios, em Burbank, Califórnia, a quilômetros do resto da banda. "Estou confortável cantando aqui", diz Weiland. "Não gosto quando fica todo mundo dentro do estúdio ouvindo o que eu estou fazendo." Os integrantes do STP não ficaram contentes com o acordo. "É um desafio", diz o baixista Robert DeLeo. "Mas sempre há o compromisso de se estar em uma banda." Desta vez, entretanto, o grupo parece disposto a se comprometer pelo bem de seu futuro. O grupo nunca se separou oficialmente, mas saiu de cena em 2002 depois de brigas internas - em grande parte por causa da luta constante de Weiland contra as drogas. Mas depois que Weiland saiu do supergrupo Velvet Revolver, em 2008, o STP se reuniu para uma turnê de verão - e tudo foi tão bem que eles resolveram compor material novo durante as passagens de som.

A banda se reagrupou em fevereiro de 2009 para começar a trabalhar no disco homônimo produzido pelos próprios integrantes, que consegue conjurar o som e a atmosfera dos melhores trabalhos do STP: intrincados riffs de guitarra à la Led Zeppelin vindos de Dean DeLeo, refrãos roucos e lampejos da psicodelia dos Beatles de primeira qualidade. "Uma vez que este é nosso primeiro disco em muito tempo, será algo bem voltado para o rock and roll básico", diz Weiland. A primeira faixa nova que o STP gravou, "Huckleberry Crumble", mostra essa pegada com riff s graves intermitentes e setentistas. "Between the Lines" soa como um single pop da era da Invasão Britânica de roupagem grunge. "Há muitas coisas que são sagradas para mim, que eu não colocaria para fora", diz Weiland. "Mas você pode dizer a mesma coisa usando metáforas e tornando a coisa universal."