Ano de Eleição

Quase democrático, novo álbum de Zeca Baleiro tem repertório escolhido pelo público

Por José Julio do Espirito Santo Publicado em 18/05/2010, às 15h08

COM AJUDA - Público opinou, mas foi Zeca Baleiro quem escolheu
MARCOS HERMES / DIVULGAÇÃO

O inferno astral passou batido por Zeca Baleiro. Angústias comuns ao período foram substituídas por planos para este ano, que incluem o lançamento de Bala na Agulha, livro com os textos que publicou em seu blog e - o maior deles - de mais um álbum ao vivo. "Inverti o processo", diz o músico maranhense. "Este terá um repertório inédito." No dia anterior Zeca Baleiro comemorara seus 44 anos assistindo São Paulo e Santos no Estádio do Morumbi. O presente foi a vitória do Peixe sobre o Tricolor.

No ano passado, Baleiro gravou uma temporada de shows em São Paulo, acompanhado apenas pelos violões de Swami Jr. e Tuco Marcondes. "O critério foi ter coisas que gosto de cantar e nunca cantei", revela. Músicas de Cartola, Elton John e Assis Valente - todos ídolos dele - tiveram lugar no repertório. Algumas, como "Eu Não Matei Joana D'Arc", sucesso do Camisa de Vênus, ficaram completamente transformadas. "Essa ficou com uma atmosfera bem medieval", Bae do baixista Mike Inez (Alice in Chains). "Eles são amigos do produtor", diz Hudson. "O Slash ia tocar, mas não conseguiu espaço na agenda." Amante de guitarras pesadas e fã de nomes como Joe Satriani, Slash e Eddie Van Halen, é a primeira vez que o músico assume a frente de uma banda de rock. O novo trabalho segue uma linha mais popular e Hudson não esconde pretender agradar a roqueiros e sertanejos, seguindo uma linha romântica. O novo disco ainda não tem nome, está em fase final de mixagem e deve ser lançado ainda no primeiro semestre. Nas 15 músicas, versões para os clássicos "Poison", de Alice Cooper, e "Rosana", do Toto. Além disso, a banda está próxima de ter sua primeira prova de fogo: a abertura dos dois shows do ZZ Top em São Paulo, nos dias 20 e 21 de maio. leiro conta. Outra cuja melodia foi levada para um contexto diferente é "Best of You", do Foo Fighters. "Só com cordas, a nuance de timbres ficou mais rica. Lembra um recital", ele conta. Por isso, o título do novo disco: Concerto. Houve uma votação feita pelo público, in loco e pelo seu site, para que 14 músicas do show entrassem no álbum. "Nem tudo é perfeito e músicas acabam sendo descartadas", o músico explica. Por vezes, teve que "fraudar" a votação: "Apesar de brincar com essa ferramenta da interatividade, que hoje é uma coisa da qual ninguém pode escapar, a palavra final é minha".