Ela e a Música

Dividida entre duas paixões, Zooey Deschanel escolhe a carreira com o She & Him

Por Pablo Miyazawa Publicado em 07/05/2010, às 15h36

"Me enxergo mais como cantora, mas não sei o que as pessoas pensam", brinca Zooey Deschanel, a protagonista de 500 Dias com Ela e o lado feminino da dupla folk She & Him. Em entrevista concedida em fevereiro, a bem-humorada cantora-atriz norte-americana falou sobre a paixão pela música (muito mais antiga que a dedicação ao cinema), o processo de composição de Volume Two (segundo disco em parceria com o multinistrumentista M. Ward) e o futuro de sua carreira em Hollywood.

Se eu tivesse que descrever Volume Two, o novo disco do She & Him, eu diria que ele é "doce e calmo, como uma tarde agradável e ensolarada de sábado". E você, como o descreveria?

Essa é difícil... Eu sempre penso que o disco é sobre... [hesita]. Bem, eu sou da Califórnia. Quando criança, costumava sentar no banco de trás do carro dos meus pais para olhar pela janela e curtir o sol. É um tipo de sensação nostálgica para mim, sabe? Na verdade, esse é um disco muito californiano para mim. Mas se tivesse que descrevê-lo, eu diria que ele é... [pensa] ...otimista. Ensolarado. Mas também agridoce.

Por quê agridoce? Tem algo a ver com a maneira com que você o compôs, ou com as letras?

Bem, no caso das músicas e as letras... Eu acho que, quando escrevo, gosto que certas progressões de acordes, melodias e letras se encaixem de modo que façam eu me sentir de certa maneira. Acho que o fato de as músicas me fazerem sentir de um jeito específico talvez cause a mesma coisa nas pessoas também.

Falando sobre o processo de composição das canções: como elas evoluíram dos primeiros esboços para o resultado ouvido em Volume Two?

Bem, normalmente eu escrevo sozinha, na minha casa. Eu toco piano e um pouco de guitarra, mas quando se trata de compor, escrevo principalmente no piano. Daí, gravo uma versão demo eu mesma, usando sequências de bateria eletrônica, às vezes com um pouco de contrabaixo. No final, tenho uma demo, ou, na prática, uma versão mais crua da música. Daí, envio para o Matt [Ward, parceiro no She & Him] um arquivo no formato mp3. Em seguida, vamos para o estúdio e pronto, gravamos.

Como Matt contribui para os arranjos? Ele dá dicas na composição?

Ele normalmente cuida da instrumentação, dos arranjos de cordas e tudo que está relacionado à produção da sonoridade, de um modo geral. Porque as versões que eu mando para ele terão no máximo piano, baixo, bateria e uns vocais. Eu adoro backing vocals, então sempre vou colocar um monte de vozes nessas demos. Pode ser que uma das melodias dessas vozes fique melhor se tocada com a guitarra, e por aí vai. No fim das contas, será a mesma música, mas terá mais texturas, camadas e coisas assim. Ele é o responsável por criar a produção que sustenta a música.

Quando você começou a se dedicar à música?

Eu comecei a ter aulas de piano mais ou menos aos oito anos de idade. Mas comecei a tocar antes disso. Eu ficava implorando para meus pais me deixarem ter aulas, e eles disseram que eu poderia começar a fazer aula aos oito - o porquê disso eu não sei. Então, tudo o que eu fazia era tocar. Toquei por muitos anos e também participei de diversos corais diferentes, como o California Honor Choir. Aí tive aulas de guitarra quando estava no ensino médio. Ao longo dos anos, também me dediquei a formar minha educação musical por conta própria: eu leio muito sobre teoria musical e já tentei tocar diversos outros instrumentos.

Um fato curioso sobre você é que seus pais eram ligados à cena de Hollywood, e mesmo você tendo se tornado uma atriz, sempre foi interessada em música.

É verdade. Quer dizer, meus pais trabalhavam com cinema, e por aqui [na Califórnia], isso representa uma indústria gigantesca. De certo modo, foi uma carreira que percebi ser, como dizer, não exatamente fácil, mas na qual eu me encaixaria de maneira relativamente simples quando era bem jovem. Curiosamente, nesse período eu estava interessada mesmo em fazer música. Então, hoje me sinto bem sortuda de ter tido capacidade de fazer as duas coisas.

Outra coisa interessante é que, sob a perspectiva do grande público, sua carreira na música não começou simultaneamente à sua carreira de atriz - as pessoas acham que você é uma estrela de Hollywood que agora está tentando uma carreira como cantora. E você, como enxerga isso?

Bem, eu só fui lançar meu primeiro disco em 2008. Então, sempre estive fazendo coisas ligadas à música, mas sabe quando uma coisa é muito preciosa para você? Eu acho que esperei esse tempo a mais porque estava procurando a situação mais adequada. Afinal, a música significa tanto para mim que eu não queria simplesmente tocar com qualquer um. Daí, quando conheci o Matt, me pareceu muito natural que ele fosse a pessoa escolhida para produzir meu primeiro disco. Eu também acho que uma carreira criativa precisa seguir um caminho bastante orgânico. Já que eu não sou igual a qualquer um, eu jamais pensaria em seguir o caminho de outra pessoa.

Atualmente, há todo esse burburinho ao redor do She & Him. Você acha que, de maneira geral as pessoas enxergam você mais uma cantora do que uma atriz? E você mesma, o que acha?

Eu me vejo mais como uma artista-compositora. Adoro escrever música, é a coisa que mais gosto de fazer na vida. Se você me perguntar como eu me vejo, eu diria que me enxergo como "uma pessoa que adora ser criativa", então gosto de fazer diversas coisas diferentes que mexem com a criatividade. Atuar é algo que gosto, porque adoro contar histórias e sempre pensei em maneiras diversas de contar uma historia. Na prática, eu penso em mim mais como cantora, mas eu não sei mesmo o que as pessoas pensam. Alguns me abordam como se eu fosse uma atriz, outros me abordam como se eu fosse da música. As duas percepções estão exatamente divididas neste momento.

Você acha que a grande repercussão de seu papel em 500 Dias Com Ela tem ajudado na aceitação positiva do She & Him? O filme ajudou a atrair mais atenção para a sua música ou não?

Eu não sei! Sabe, é muito rara a chance de participar de um filme tão bem recebido como esse. Eu tenho muito orgulho de ter feito parte disso. Mas não sei, é difícil afirmar o que contribui para o quê. Meu primeiro disco saiu há dois anos, e esse está saindo agora. Quer dizer, eu tenho certeza de que, em certo grau, as pessoas irão se interessar pela artista ao ponto de querer saber do que ela é capaz por aí. No fim das contas, eu acho que é tudo positivo.

Acho que essa você responde sempre, mas... o Ringo é realmente seu beatle favorito?

[Risos] Não. Eu gosto do Ringo. Mas é o George Harrison o meu favorito.

De volta ao Volume Two: A música "I Can Hear Music", dos Beach Boys, saiu na edição brasileira do disco como faixa-bônus. Por que vocês escolheram essa canção, e como você mede a influencia dos Beach Boys na música que você escreve?

O Beach Boys é uma das bandas que mais me influenciou na vida, tipo, é uma das minhas favoritas de todos os tempos. A versão deles para "I Can Hear Music" é especialmente linda. Adoro essa música, tanto quanto adoro a banda. A gente simplesmente tocou ela um dia, pensando que seria algo legal de se fazer. Quero dizer, quando a gente é apaixonado por uma canção, é muito legal poder gravá-la. Não teve um motivo específico: eu adoro a música, simplesmente.

Eu acredito que você tem sido considerada atualmente a atriz perfeita para filmes com pegada pop e relacionados à música. Eu não sei se você concorda com isso ou não, mas quero saber se tem planos para sua carreira de atriz, ou algum caminho especifico que queira ou não tomar nessa área futuramente.

Bem, acho que tudo depende. Eu não sei muito bem, meio que tento escolher as coisas à medida que vou seguindo em frente. Nesse momento, estou focada no She & Him e em promover o disco. Mas vamos ver [risos].

Recentemente, você se casou com Ben Gibbard [vocalista do Death Cab for Cutie]. Eu acredito que vocês dois compartilham seus gostos musicais e ideais. Vocês já tentaram compor juntos?

Não, não. A gente mantém nossa música à parte de tudo. Especialmente se você tem uma relação pessoal com alguém, acho que é bom saber separar as coisas. É sempre melhor manter o trabalho e a vida pessoal separadas, sabe?