Rock em Alta Dosagem

Influenciado pelo rock britânico, Superdose combina bebedeiras homéricas e belos timbres

Por Leonardo Dias Pereira Publicado em 11/06/2010, às 17h35

<b>DEU CERTO</b> O Superdose gravou na "Disneylândia dos músicos", o estúdio Toca do Bandido
Sabrina Prado / Divulgação

"Estávamos sentados em um boteco pensando em algum nome quando eu tive um estalo de juntar 'super', que é sonoro, com 'dose', que combina conosco, já que somos um bando de bêbados", explica o baixista Marco Frugiuele, após soltar uma sonora risada. A banda, formada pelos irmãos João Frugiuele (vocal) e Antônio Frugiuele (guitarra) - primos de Marco -, Ique Thompson (guitarra) e Flipi Stipp (bateria), estava reunida para mais uma sessão de ensaios em uma espécie de sala de lazer na casa da avó da família Frugiuele.

Foi nesse mesmo lugar que eles burilaram as músicas do EP de estreia, Cidade Luz, lançado no ano passado pelo selo independente Elemental Music, antes de partirem para uma viagem que classificam como a "ida à Disneylândia dos músicos": a gravação no estúdio Toca do Bandido, no Rio de Janeiro, que era de propriedade do produtor Tom Capone. "Foram três dias maravilhosos. A gente acordava, olhava para aquela serra maravilhosa e íamos correndo gravar", lembra João, que é acompanhado por Ique: "O Tom tinha de tudo, desde uma [guitarra] Rickenbacker antiga até amplificadores sofisticadíssimos". O investimento pode ser sentido na qualidade dos timbres presentes nas músicas do debute dos rapazes, realçando a sonoridade influenciada pelo rock britânico contemporâneo, de bandas como Oasis e Doves. Essa influência os ajudou a conseguir o cobiçado convite de abrir a última turnê brasileira dos ingleses do Placebo, um passo importante para a curta e promissora carreira deles. "A gente pensou que ia rolar aquela baixaria de sempre, de o público xingando e jogando coisas, mas o resultado foi mais positivo do que o esperado", diz Ique. "Em Belo Horizonte o pessoal até cantou o refrão de 'Cidade Luz'. Ficamos de cara! Coisas da internet, né?", brinca Marco. "Os caras do Placebo até falaram que, da turnê sul-americana, nós fomos a melhor banda de abertura que eles tiveram", completa João, cheio de orgulho.

Você lê esta matéria na íntegra na edição 45, junho/2010