ACERVO PESSOAL

O Bad Boy do Rock

Por Paulo Cavalcanti Publicado em 12/11/2010, às 01h45

REPRODUÇÃO

Larry Williams morreu há pouco mais de 30 anos, mas ninguém se lembrou do fato. Uma pena, já que o cantor e compositor foi um dos pioneiros do rock e um dos músicos que mais in- fluenciaram os Beatles. Basta dizer que o Fab Four gravou três canções dele: "Bad Boy", "Slow Down" e "Dizzy Miss Lizzy". Nascido em Nova Orleans no dia 10 de maio de 1935, Williams começou a despontar quando assinou com a gra- vadora Specialty. Ele foi trabalhar para o astro Lloyd Price e se tornou amigo de Little Richard. O interessante é que Williams e Richard possuíam um estilo similar: um rock gritado e frenético com raízes no R&B de Nova Orleans. E, assim como Richard, Williams também tocava piano. Robert "Bumps" Blackwell, produtor da Specialty, começou a treinar Williams para que ele se tornasse o novo Little Richard, já que este estava deixando a gravadora e o showbusiness para se tornar pastor. "Bony Moronie", "High School Dance" e "Short Fat Fanny" foram grandes sucessos e se tornaram clássicos. "She Said Yeah", também gravada por Williams no final dos anos 50, seria registrada na década seguinte pelos Rolling Stones e The Animals. O problema é que Williams desde a adolescência esteve envolvido com o submundo. Ele também ganhava dinheiro extra como cafetão e trafican- te. Em 1959, passou uma temporada na cadeia por vender drogas. O músico foi dispensado da Specialty e sua carreira foi severamente prejudi- cada. Na metade dos anos 60, Williams retornou ao show business, gravando e se apresentando ao lado de Johnny "Guitar" Watson. Ele também produziu alguns ál- buns para Little Richard na gravadora Okeh.

Na década de 1970, Williams tentou gravar disco music e funk, com resultados artísticos e comerciais negativos. Mas a música ficou em segundo plano. Ele continuou levando uma vida violenta e envolvi- do com drogas e prostituição. No dia 7 de janeiro de 1980, Larry Williams foi encontrado morto em sua casa, em Los Angeles, com um tiro na cabeça. O laudo da polícia afirmou que o artista, que na época tinha 44 anos, teria se suicidado. Até hoje o caso é polêmico. Muitos acham que a morte de Williams foi "queima de arquivo" ou re- sultado de dívida de drogas.