A Última Entrevista

Três dias antes de morrer, John Lennon falou por nove horas com a Rolling Stone. Trinta anos depois, essa conversa inédita é revelada, e você confere a íntegra em nossa edição de janeiro

Por Andy Greene Publicado em 06/01/2011, às 11h23

Em janeiro, uma de nossas capas apresenta a clássica foto da edição de janeiro de 1981 da Rolling Stone EUA

Ver Galeria
(2 imagens)

Em 5 de dezembro de 1980, três dias antes de ser assassinado, John Lennon sentou-se com Jonathan Cott, da Rolling Stone, para uma entrevista que durou nove horas. Trechos da entrevista foram publicados na edição-tributo a Lennon, no mês seguinte (janeiro de 1981) - mas Cott nunca transcreveu todas as fitas. Por 30 anos, elas ficaram guardadas em seu armário.

"No começo de 2010, eu estava arrumando alguns arquivos quando encontrei duas fitas, nas quais estava escrito 'John Lennon, 5 de dezembro, 1980'", revela Cott. "Fazia 30 anos desde que eu as tinha ouvido, e quando eu as coloquei novamente para tocar surgiu essa voz totalmente viva e edificante saindo desta mágica faixa de fita magnética."

A entrevista de Cott com John Lennon - a última entrevista do artista a um veículo impresso - finalmente foi revelada, e você poderá ler a íntegra na edição de janeiro da Rolling Stone Brasil, nas bancas a partir desta sexta, 7. Neste notavelmente franco bate-papo, Lennon atacou fãs e críticos que o perseguiram durante os cinco anos que ficou afastado da música. "As pessoas querem heróis mortos, como Sid Vicious e James Dean", afirmou. "Não estou interessado em ser um herói morto, então deixa pra lá."

Ele também falou sobre planos para uma possível grande turnê. "Talvez façamos", ele disse. "Mas não haverá bombas de fumaça, luzes piscando, tem de ser aconchegante. Mas poderíamos fazer uma piada. Somos roqueiros renascidos e estamos recomeçando."

Yoko Ono contribui nesta edição com um artigo extremamente pessoal sobre seus últimos dias com John Lennon. "Logo antes de sairmos do estúdio, John olhou para mim", escreveu Yoko. "Eu olhei para ele. Os olhos dele tinham a intensidade de um sujeito que estava prestes a me dizer algo importante. 'O que é?', eu perguntei. E nunca vou esquecer como ele disse as coisas mais lindas para mim com uma voz profunda e suave, como se quisesse entalhar as palavras na minha mente. 'Ah', eu disse depois de um tempo e desviei o olhar, um pouco acanhada."

Você encontrará esta edição com duas capas: em uma delas, um retrato mais intimista do artista; na outra, a reprodução da clássica capa da Rolling Stone EUA, publicada originalmente em janeiro de 1981.