5 PERGUNTAS - De Caça a Caçador

Steven Tyler, do Aerosmith, fala de seu novo emprego no American Idol

Por Austin Scaggs Publicado em 11/05/2011, às 16h15

JURADO E CANTOR Mesmo com a TV, Tyler quer continuar com o Aerosmith
ZUMAPRESS/EASYPIX BRASIL

Nos últimos 18 meses, Steven Tyler caiu do palco duas vezes, brigou com seus parceiros de Aerosmith, foi para a clínica de dependentes Betty Ford, juntou-se ao elenco do programa American Idol e escreveu uma autobiografia, Does the Noise in My Head Bother You? (a ser lançada neste ano). "Foi um bom ano para mim, cara", diz Tyler, 62 anos, chegando à casa dele em Boston para uma pequena folga.

Faz pouco mais de um ano que você se internou na clínica de reabilitação. Agora você é juiz do American Idol. Como isso aconteceu?

Começou porque eu operei meus dois pés para corrigir um dano nos nervos - como você pode imaginar, depois de dançar como um urso frenético por 40 anos, meus pés estavam acabados. Eu estava tomando pílulas para ajudar a combater a dor, e foi aí que caí do palco [em agosto de 2009]. Os caras estavam irritados comigo - achavam que eu estava chapado - mas na verdade eu só tinha errado. Dei entrada na clínica - mas não recebi um telefonema sequer da banda. Fiquei tão puto que disse a meu empresário: "Me arruma alguma outra coisa, preciso de um trabalho paralelo, diário, me arruma algo como o Idol".

Você tem talento para detonar as pessoas, como Simon Cowell?

Não sou o próximo Simon Cowell. Todo mundo está procurando o próximo Simon? Ele era divertido de se assistir, mas quando você está lá, sentado com todos aqueles garotos que realmente têm sonho de cantar...

Mas você vai ser sincero com quem cantar mal de verdade?

Certamente. Se as mamães e os papais vêm dizendo que eles cantam bem para cacete, bem, eu sou o cara que vai dizer que não. Direi: "Vocês foram terríveis, quem disse que você sabe cantar? Você comeu muita tinta de parede quando era criança?" Há uns garotos de 15 anos que vêm assistindo o Idol há pelo menos dez anos - mas eles nunca foram vaiados em uma casa noturna. Se você vai entrar no jogo do programa, tem de estar pronto para entrar no liquidificador.

Vocês e o Joe Perry têm se estranhado nos últimos anos. Já se acertaram?

No que diz respeito a Joe, ele tem SGS: Síndrome do Guitarrista Solo. Somos irmãos desde sempre, e ele só está tentando lidar com as coisas dele. Acho que os anéis de Saturno são inteiramente compostos de licks inéditos de Joe Perry, flutuando em algum lugar do Éter, e nós só temos que nos juntar e nos acertar. Somos como visionários periféricos - não vemos o que está à nossa frente, vemos o que está dos lados, e eu só preciso juntar todos eles.

Você cantou um medley de músicas dos Beatles na homenagem a Paul McCartney do Kennedy Center, em dezembro. Como foi?

Foi louco - tinha 16 anos quando vi os Beatles no Ed Sullivan, e aí me pedem para cantar as últimas quatro músicas do Abbey Road com a porra do Sir Paul McCartney assistindo? Durante o show, as lágrimas escorriam no meu rosto - eu estava olhando direto para [líder da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos] Nancy Pelosi na plateia! No dia seguinte, houve uma cerimônia na Casa Branca. Fui até o presidente e ele me disse: "Steven Tyler, o que você está fazendo aqui?"