RÁPIDAS COM... Céu

A cantora revê a carreira em edições especiais dos CDs Céu e Vagarosa

Por Tiago Agostini Publicado em 11/05/2011, às 16h17

Cantora Céu
ROBERT ASTLEY SPARKE

Edição especial

"Sempre registramos os processos, principalmente no início de Vagarosa. Meu DJ, o Marco, começou a captar as imagens do estúdio e no fim, tínhamos um material bacana. É interessante para o fã ver os bastidores, as viagens, a falta de glamour."

Sem arrependimentos

"Fiz o que consegui de melhor na época da gravação dos dois discos. Evidente que mudei e talvez fizesse algo diferente se estivesse partindo do zero hoje, mas fico feliz que os discos mostram honestidade. Vagarosa foi gravado mais do meu jeito, e por estar mais perto do meu momento musical atual é o que eu mais me identifico. No entanto, não tenho um preferido."

Mercado musical

"Não tenho muito um olhar comercial, de pensar no que fazer com os discos. Talvez as reedições de luxo sejam uma carta na manga das gravadoras. Ao fim de toda gravação você tem material extra, mas cabe ao artista decidir se ele é bom o suficiente para ser lançado."

Família e amigos

"Amigo é tudo nessa vida. Procuro me cercar de pessoas queridas no estúdio e na estrada, traz uma riqueza para o trabalho. Nossa vibração como família durante as gravações reflete no som e é um ingrediente para a qualidade do disco. E levo minha filha sempre comigo nas turnês, é uma delícia. Ela é minha vida, não tem como dissociar uma coisa da outra."

Disco novo

"Já estou pensando no terceiro, mas não sei quando sai. É difícil dizer onde começa um e termina o outro, porque eu nunca paro. Não acho que tenho que lançar um disco por ano. Admiro quem consegue, mas não é o meu ritmo. Minha vida é muito corrida, Acredito que preciso ter uma história nova pra contar."