Deserto Ferve em Festival de Metal

Gigantes, Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax se juntam novamente, agora nos Estados Unidos

Por Matt Dieh Publicado em 20/07/2011, às 19h49

SOB O SOL O Metallica foi a atração principal do Big 4 Festival, junto com Megadeth

Ver Galeria
(4 imagens)

"Sem falsa modéstia, este é o melhor show de metal de todos os tempos", diz o guitarrista do Anthrax, Scott Ian sobre o Big 4, uma verdadeira festa que Metallica, Slayer, Megadeth e a banda de Ian deram em Indio, Califórnia, em 23 de abril. Os titãs do thrash metal já haviam tocado juntos antes - durante uma turnê pela Europa no ano passado -, mas a estreia da performance nos Estados Unidos, atingindo o auge com o triunfante set de encerramento do Metallica (que vem ao Brasil em setembro, para o Rock in Rio), testemunhada por 50 mil headbangers, ainda parecia histórica.

As festividades no estacionamento começaram horas antes da música, com metaleiros vestidos com suas camisetas sem manga decoradas com pentagramas, bebendo, torrando ao sol e espirrando protetor solar nas peles tatuadas. Quando o Anthrax começou a tocar "Caught in the Mosh" às 16h, os fãs correram na direção do palco, socando o ar e fazendo o tradicional chifrinho do demônio com as mãos. "A energia vinda da plateia era diferente de qualquer uma que senti em shows nos Estados Unidos", diz Ian.

O Megadeth entrou em seguida, com outra apresentação intensa, com faixas como "Peace Sells". A juba ruiva do líder da banda, Dave Mustaine, chicoteava seu rosto enquanto ele esmerilhava em uma guitarra modelo Flying V dourada, totalmente alheio aos problemas técnicos. "Contive minha raiva o show todo", diz Mustaine. "Mas no fim, destruí minha guitarra inteirinha."

A agressão nunca antes vista da apresentação do Slayer inspirou os moshes mais brutais do dia. Em um momento tocante, o guitarrista Jeff Hanneman - afastado este ano por uma doença provocada por uma bactéria que se alimenta de carne e que afetou seu braço direito - fez uma aparição-surpresa, desafiadoramente mostrando seu membro marcado por cicatrizes enquanto tocava "South Heaven" e "Angel of Death". "Foi legal pra caralho voltar aos palcos", diz Hanneman. "Pude ver o olhar dos garotos lá de cima."

Mas no fim a noite era do Metallica. Entrando no palco às 20h30, a banda engatou em "Creeping Death". O líder James Hetfield liderou a plateia em um grito de "Die! Die!" ("Morra! Morra!") - o primeiro de vários coros clássicos em uma apresentação de duas horas, passando por todas as fases da carreira da banda. Durante "Enter Sandman", os fãs começaram uma intensa fogueira. Mais tarde, Hetfield chamou as outras bandas ao palco para uma caótica versão de "Am I Evil", da banda britânica pioneira Diamond Head. O público explodiu quando Mustaine - chutado sem cerimônia do Metallica em 1983 - foi o primeiro a aparecer. "Naquela manhã, James me mandou uma mensagem no celular dizendo: 'Está pronto para chutar umas bundas?'", diz Mustaine. "Voltamos a ser camaradas."

Durante uma sessão de fotos naquele fim de tarde, o guitarrista do Metallica, Kirk Hammett, abraçou Kerry King, do Slayer, e o baterista Lars Ulrich brincou, bem-humorado, com sua contraparte do Megadeth, Shawn Drover, por causa de seu cabelo perfeito. "A camaradagem é real", diz Ulrich. "Um segmento da comunidade de fãs de metal preferiria que ainda estivéssemos brigando uns com os outros, mas não há razão para competirmos hoje."

Enquanto o Metallica discute um novo álbum e se prepara para passar pelo Brasil (em noite que também terá Slipknot e Motörhead, entre outros), a prioridade imediata da banda é a próxima parada do Big 4, no Yankee Stadium, em Nova York, também em setembro. "Esse troço devia acontecer em mais lugares", diz Ulrich. "Ainda assim, não vejo isso virando uma turnê de 40 datas. Tornaria o evento menos especial."