Controle Total

Pato Fu mantém independência em álbum delicado e feito em casa

Alexandre Inagaki Publicado em 01/08/2007, às 17h12 - Atualizado em 31/08/2007, às 18h28

Pato Fu: calmo e sem pressa
Nino Andrés/Divulgação

Entre microfones, amplificadores e os brinquedos de Nina, filha do casal John Ulhôa e Fernanda Takai, o Pato Fu prepara o sucessor de Toda Cura para Todo Mal (2005), primeiro disco produzido sem contrato com uma major desde a estréia, em Rotomusic de Liquidificapum (1992). Mas não foi um passo no escuro. O respaldo da crítica e uma base fiel de fãs, construída ao longo de 15 anos de carreira, permitiu à banda retornar ao mercado independente detendo a posse dos masters de suas músicas e firmando acordo com a Sony/BMG apenas para a distribuição dos CDs e DVDs. "Se a gente estivesse no início da carreira, não poderia fazer esse tipo de escolha por falta de cacife", ressalta Fernanda.

A única nova faixa já definida do novo disco, previsto para outubro, é uma regravação de "Cities in Dust", do Siouxsie & The Banshees. A cover integrou o repertório que a banda apresentou recentemente em São Paulo, a fim de promover o lançamento do DVD de Toda Cura para Todo Mal. A iniciativa (inédita no Brasil) de produzir vídeos para todas as músicas de um mesmo disco não deverá ser repetida. "Financeiramente, não é algo que nos dê retorno, então precisamos nos capitalizar de novo para uma empreitada dessas. Sai tudo do nosso bolso", explica Fernanda. É o efeito colateral da decisão de um grupo que abriu mão da estrutura logística de uma gravadora em troca de maior liberdade artística. Ainda assim, o Pato Fu continuará investindo em vídeos: a cover de "Cities in Dust" já tem clipe disponibilizado no site oficial da banda.

Ainda sem título, o próximo disco está em produção no estúdio caseiro de John e Fernanda, o 128 Japs (uma homenagem aos "cento e poucos nipônicos" existentes na bateria eletrônica que compunha o grupo). Gravado "em ritmo mineiro", o novo disco terá de 11 a 12 faixas e a participação da banda colombiana Aterciopelados. "Será um álbum mais delicado, porque assino algumas parcerias com o John. E eu ultimamente tenho ouvido cada vez mais músicas calminhas", diz a cantora.

Em paralelo, Fernanda Takai desenvolve carreira solo, porém extramusical: há dois anos, é colunista dos jornais Correio Braziliense e Estado de Minas e planeja reunir seus textos em livro ainda em 2007. "O que mais gosto nessa atividade é a diversidade de pessoas que me escrevem de volta. Gente que nem conhece Pato Fu. Eu achava que a banda tinha um público muito variado, mas meus leitores do jornal são mais!"