Volta da pilantragem

Obra em cartaz no Rio de Janeiro conta a história de Wilson Simonal

Marcos Lauro Publicado em 13/01/2015, às 15h18 - Atualizado em 15/01/2015, às 14h42

Ícaro Silva na pele do cantor.

O Brasil vive a febre dos musicais. Depois de Elis Regina, Cássia Eller e Cazuza, agora é a vez do falecido Wilson Simonal voltar aos palcos do Rio de Janeiro com o espetáculo S’imbora, o Musical – A História de Wilson Simonal. Escrita pela dupla Nelson Motta e Patrícia Andrade, a obra narra a história do cantor por meio das canções dele, sem fugir das polêmicas. “É um dos personagens mais complexos na história da música brasileira, que foi do céu ao inferno em pouco tempo [quando foi acusado de colaborar com a ditadura]. Um prato cheio para qualquer roteirista”, diz Patrícia. O responsável por encarnar o Rei da Pilantragem é Ícaro Silva, que viveu Jair Rodrigues em Elis, o Musical e atuou em Rock in Rio – O Musical. Com 27 anos, Silva acumula diversos trabalhos na TV, incluindo cinco temporadas em Malhação. O principal desafio de S’imbora é falar sobre as controvérsias e os momentos difíceis da vida do cantor. Mesmo o período de ostracismo do artista é contemplado. “Procuramos músicas que representam esse momento”, conta a roteirista. “Começa alegre, para cima. O segundo ato já é mais para baixo, mas logo recuperamos o altoastral.” Patrícia, que estreou nesse ramo com Elis, acredita que o musical brasileiro é diferente do da Broadway. “Aqui, tem tom de tributo”, afirma. “As músicas trabalham a favor da dramaturgia.”