Arte de Lutar

Aíla faz “pop político” no disco Em Cada Verso um Contra-Ataque, segundo da carreira

Anna Mota Publicado em 23/07/2017, às 10h54

Sem Arrefecer
Aíla é firme em suas convicções, na fala e nas músicas
Julia Rodrigues/Divulgação

‘‘Eu quero fazer revolução através da minha arte.” A fala confiante é de Aíla, que em agosto integra o line-up do Coala Festival, ao lado de nomes como Caetano Veloso e Emicida. A frase descreve o desejo explícito no disco Em Cada Verso um Contra-Ataque (2016), o segundo e base do repertório da cantora no evento.

No álbum, a paraense deixa o romantismo das letras do LP de estreia, Trelêlê (2012), para mergulhar no “pop político”. “Quero fazer as pessoas dançarem uma lambada eletrônica e, ao mesmo tempo, falar sobre a homofobia”, diz. Essa transformação criativa, segundo Aíla, foi em grande parte consequência da mudança do Pará para São Paulo, que aconteceu em 2014. “Comecei a compor [ela gravou o primeiro disco como intérprete], e o meu lado ativista tomou conta de tudo.”

Cada faixa de Em Cada Verso um Contra-Ataque aborda uma temática pungente, como assédio (“#nãovoucalar”), racismo (“Melanina”) e amor livre (“Lesbigay”, parceria com a veterana Dona Onete). O próprio título do álbum simboliza uma resposta “à exclusão e ao ódio que assolam o mundo”. Para ela, arte é sinônimo de luta. “Artista politicamente neutro não existe. Quando você se cala, compactua com o que está acontecendo”, afirma.

Quando começou 2012

Para quem gosta de Jaloo, Liniker e os Caramelows

Ouça “Rápido”, “Tijolo”, “Clã da Pá Virada”