Sem Preguiça

Além de gravar com o Vampire Weekend, Ezra Koenig cria animação para a TV

Jonah Weiner Publicado em 19/10/2017, às 14h19 - Atualizado às 14h20

Muitos Talentos
Koenig: músico, locutor e, agora, criador de animação
Christiaan Felber

Conhecemos Ezra Koenig como o líder do Vampire Weekend e, mais recentemente, como locutor do Time Crisis, na rádio Beats1, da Apple Music. Agora, Koenig acrescenta um item inesperado a seu currículo ao criar para a Netflix Neo Yokio, uma amalucada série de animação sobre um playboy depressivo e matador de demônios dublado por Jaden Smith.

Jaden Smith é conhecido por dizer coisas viajantes na internet. Como é trabalhar com ele?

Foi difícil escolher alguém para esse papel, e no final das contas o único ator jovem que realmente me empolga é ele. Sempre fui fã do Twitter dele. Quando leu o roteiro, ele entendeu de verdade. Tinha um senso de humor quanto ao texto, mas também disse: “Há uma coisa meio Hamlet”.

Jason Schwartzman, Jude Law e Susan Sarandon também estão em Neo Yokio. Foi difícil atrair atores “sérios” para um desenho tão estranho?

Acho que eles acharam que era um trabalho esquisito e engraçado. O Jude gravou a maioria das falas enquanto filmava The Young Pope – eu acordava às 4h da manhã em Los Angeles para ouvi-lo no estúdio em Roma via Skype.

Você disse que o próximo álbum do Vampire Weekend está 80% pronto. O que podemos esperar dele?

Depois desse período fumando maconha e fazendo animação, voltei revigorado. Não quero falar demais sobre o som, mas é o primeiro disco que gravei depois que fiz 30 anos. Quando uma banda chega ao quarto álbum, é muito como virar balzaquiano e descobrir como se vestir: você pode amar ver os novos moletons de algumas marcas das quais gosta, mas, a certa altura, veste, olha no espelho e pensa: “Hummm, não tem mais sentido”.

A banda passou por algumas mudanças de formação: Rostam Batmanglij deixou de ser membro em período integral e você trouxe novos colaboradores.

Tive a experiência de estar no estúdio com Kanye West, no México, e foi muito diferente de tudo que eu já havia feito: um dia, Dave Longstreth está ali; no dia seguinte, Big Sean aparece. Às vezes, as pessoas não trabalhavam, só falavam sobre música. Agora, estamos passando para a fase final, que é: “Como você pega toda essa energia e a transforma no som do álbum?” É complicado.