RÁPIDASCOM... Mariana Aydar

Cantora comenta as influências e as parcerias em seu novo disco

Patrícia Colombo Publicado em 18/10/2011, às 17h33 - Atualizado em 25/11/2011, às 12h25

Mariana Aydar
Divulgação

Sobre Cavaleiro Selvagem Aqui Te Sigo

“É um álbum com temas universais, com um DNA de África. As influências musicais – música baiana, nordestina, afrobeat – aparecem de acordo com o meu olhar sobre elas, e entram no disco de maneira sutil e elegante. Acabou ficando diferente de quando começou a ser elaborado. Foi gravado ao vivo em dez dias e é muito rico nos sons porque todo mundo que participou deu a sua musicalidade.”

Os produtores Letieres Leite e Duani Martins

“O Letieres é um guru, com mediunidade musical, recebe a melodia de forma natural. E ele e o Duani [marido da cantora] até brincaram que são uma enterprise [risos]. Um falava e o outro já sabia o que era. Juntos, viram o lado rítmico do álbum.”

O peso das composições próprias no disco

“As composições me guiaram, há quatro faixas minhas. ‘Solitude’ foi a primeira que compus [junto a Luisa Maita] e a primeira que entrou. Desde Peixes Pássaros Pessoas [2009] fui nascendo como compositora e de lá para cá escrevi muitas coisas. Percebi o que estava saindo de dentro de mim.”

Participação de Emicida na letra de “Cavaleiro Selvagem”

“O cara é um improvisador nato. Eu não conseguia sair do lugar [na elaboração da letra] e pensei: ‘Bom, o Emicida vai conseguir acabar, ele acaba tudo! [risos]’”

Dominguinhos em “Preciso do Teu Sorriso”

“Nos anos 70, tinha uns discos dele com uma pegada forte de soul e funk – e é o que fizemos nesta faixa, que foi um hit do forró. Quisemos mostrar esse Dominguinhos improvisador, aberto. Vem representar também a parte do Nordeste, porque a verdade dele é essa, mas também sua universalidade.”