Pulse

Especial Hollywood - PREVIEW 2012

Reserve a pipoca. Os próximos lançamentos do cinema reúnem um urso de pelúcia falante, vampiros, piranhas assassinas, políticos corruptos, rock farofa, um ditador insano e muito mais.

Peter Travers | Tradução: J. M. Trevisan Publicado em 15/06/2012, às 16h42 - Atualizado às 17h00

Sacha Baron Cohen em O Ditador

Ver Galeria
(4 imagens)

Ah, 2012! Hollywood preparou um caldeirão de tentações para nos arrastar ao cinema mais próximo: uma continuação para O Cavaleiro das Trevas, uma lista sem fim de estrelas (Kristen Stewart! Sacha! Meryl Streep!), surpresas (Tom Cruise cantando!), a magia da Pixar e os cotados ao Oscar, de Christopher Nolan a Wes Anderson. Com tudo isso, esta é uma lista das próximas estreias que valem o alto preço do ingresso.

JULHO

Na Estrada

13 de Julho

“Foi divertido e selvagem. Não sabíamos o que nos aguardava a cada dia”, disse Kristen Stewart, a Marylou, sobre rodar Na Estrada – ou seja, foi mais ou menos o que se espera de uma adaptação do aclamado Pé na Estrada (On the Road), clássico absoluto de Jack Kerouac, que finalmente chega aos cinemas. A história é baseada em fatos reais e conta como o escritor Sal (Sam Riley) conhece Dean (Garrett Hedlund) e sua mulher, Marylou. Juntos, eles viajam pelas estradas de leste a oeste dos Estados Unidos. Quem encarou o desafio de assinar o longa notoriamente complicado de se filmar foi o diretor brasileiro Walter Salles, um apaixonado pelo ícone da literatura beat publicado em 1957. “Um filme adaptado de um livro deve, sobretudo, convidar o espectador a voltar para o livro, à história original”, afirma Salles. A produção ainda traz no elenco Viggo Mortensen, Kirsten Dunst, Alice Braga, Steve Buscemi, Amy Adams e Tom Sturridge.

O Ditador

13 de julho

“A ditadura é muito melhor do que a democracia. Na ditadura, 1% manda enquanto 99% sofre.” Estas são as ácidas e engraçadas palavras de Sacha Baron Cohen no papel do Almirante-General Aladeen, o tirano que governa a república fictícia Wadiya, no Oriente Médio, até que é forçado a fugir para Nova York. Baron Cohen, que estrela e codirige O Ditador, e Larry Charles, diretor do filme, deixam de lado o formato de falso documentário usado em Borat e Brüno para contar uma história coerente. Ok, na verdade, não. Mas Aladeen se apaixona por uma funcionária de uma loja de alimentos naturais (Anna Faris) em um enredo que se baseia livremente no romance Zabibah and the King, supostamente escrito por Saddam Hussein. Como sempre, Sacha espertamente se faz de desentendido, interpretando o personagem mesmo em público – como fez no tapete vermelho da cerimônia do Oscar, quando deu um banho de cinzas (que ele dizia serem do ditador norte-coreano Kim Jong-il) em um entrevistador.

Valente

20 de julho

“Foi meio assustador interpretar a primeira protagonista feminina de um filme da Pixar”, diz a atriz escocesa Kelly MacDonald, da série de TV Boardwalk Empire, que faz a voz de Merida em Valente. O longa é uma fantasia animada em 3D e ambientada na Escócia medieval. Merida é impressionante e a Pixar se superou em sua tradicional mágica visual e na vivacidade com que conta a história. Ela é uma adolescente ruiva cuja habilidade com o arco e flecha poderia fazê-la dar um couro em Katniss Everdeen. Mas ela não faz parte de nenhum jogo voraz. Na verdade, a jovem está se rebelando contra seus pais, o rei Fergus (Billy Connolly) e a rainha Elinor (Emma Thompson), que querem que ela case com algum nobre. E aí ela pede a ajuda de uma bruxa (Julie Walters), provocando reviravoltas engraçadas, assustadoras e inesperadas.

AGOSTO

Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros

3 de agosto

“É um filme de época que, por acaso, tem vampiros”, diz Benjamin Walker, que interpreta o presidente norte-americano Lincoln com uma estaca na mão e o desejo de vingança no coração. Só o título já é atraente: parece ser a encarnação de toda a bobagem que também faz parte da graça do cinema.

O Vingador do Futuro

10 de agosto

“O tom é muito diferente, bem mais sombrio”, diz Colin Farrell sobre o remake de O Vingador do Futuro, filme dos anos 90 no qual Arnold Schwarzenegger era vítima de interferências maliciosas na mente. O diretor Len Wiseman diz que está se aprofundando no material que serviu de fonte para o filme, o conto “We Can Remember It for You Wholesale”, de Phillip K. Dick.

Rock of Ages: o Filme

17 de agosto

“É um desafio – aprendi a tocar guitarra, violão e a cantar”, diz Tom Cruise. É sério. Ele encarna um deus do rock chamado Stacee Jaxx na versão cinematográfica do sucesso da Broadway. Movido a sexo, drogas e doses de rock (ele canta “Pour Some Sugar on Me”, do Def Leppard, e “Wanted Dead or Alive”, do Bon Jovi), Jaxx é uma viagem. Mas a história também fala de um lindo casal de jovens (Julianne Hough e Diego Boneta), que tenta dar certo no mundo da música. Há ainda o trabalho delicioso de Alex Baldwin e Russell Brand como dois proprietários de uma casa noturna. Mas o show é de Cruise. É preciso uma repórter gostosa da Rolling Stone (Malin Akerman) para colocar seu mundo em foco.

O Legado Bourne

24 de agosto

“Não há nada disso de tomar o lugar de Matt Damon – Matt sempre será Bourne.” Palmas para Jeremy Renner por mostrar que Aaron Cross, o assassino da CIA que ele interpreta em O Legado Bourne, é um novo personagem.

The Campaign

24 de agosto

“Acho que este filme veio na hora certa”, dispara o diretor Jay Roach, referindo-se a The Campaign, uma comédia política que serve de acompanhamento para as eleições norte-americanas, em novembro. E como é que alguém pode superar Will Ferrell e Zach Galifianakis interpretando políticos sujos? Roach (dos filmes Recount e Game Change, ambos da HBO) é o satirista perfeito para levar o filme aos patamares mais altos.

FIM DO ANO

Hope Springs

5 de outubro

“Os dois vieram até aqui para restaurar a intimidade no casamento de vocês.” São as palavras ditas por um terapeuta (Steve Carell) na tentativa de ajudar um casal, interpretado com inteligência impecável por Meryl Streep e Tommy Lee Jones, a reacender o fogo do matrimônio. O diretor David Frankel (O Diabo Veste Prada) conseguiu elaborar um raro prato: uma comédia adulta.

Ted

5 de outubro

“Quero deixar bem claro que todas essas coisas foram escritas por Seth MacFarlane, não por mim, e eu não improvisei nada, e ele vai assumir toda a responsabilidade por todas as pessoas que se ofenderem.” É assim que Mark Wahlberg absolve a si mesmo de toda a culpa por esta comédia sobre um cara (Wahlberg) e seu urso de pelúcia boca-suja. É a estreia de McFarlane, criador de Family Guy, na direção de um longa .

Sparkle

7 de dezembro

“Deus tem seu próprio tempo”, dizia Whitney Houston ao tentar explicar a luta de dez anos para produzir Sparkle, filme no qual ela interpreta a mãe de uma aspirante a cantora (Jordin Sparks). Foi o último papel de Whitney, que morreu em fevereiro.