Pulse

Acontece Internacional - FUN.

A revelação pop de 2012 é uma banda de amigos com um gosto por punk, melodias grudentas e hip-hop

Jenny Eliscu - Tradução: J.M. Trevisan Publicado em 09/08/2012, às 17h41 - Atualizado às 17h47

FUN, FUN, FUN (Da esq.) Antonoff, Ruess e Dost – três ex-punks que conquistaram as paradas com um hino pop
LEANN MUELLER

Quando você anda com o Fun., é só uma questão de tempo até que eles comecem a debater algum detalhe minucioso da cultura pop: é ok chamar o primeiro Star Wars de “Episódio 4”? Qual dos álbuns setentistas dos Kinks foi o melhor? Quando não querem discutir, há, segundo eles, um único tópico unânime. “Os Beatles são a única banda sobre a qual não discordamos em nada”, diz o guitarrista Jack Antonoff. E aí as discordâncias começam. “‘Long, Long, Long’ é minha música favorita dos Beatles”, acrescenta o vocalista Nathan Ruess, 30, bebericando uísque de um copo descartável no ônibus de turnê, antes de um show. “Não estou nem tentando ser alternativo.” “Quanta merda”, intromete-se Antonoff. “‘In My Life’ é claramente a melhor música pop deles”, aponta o multi-instrumentista Andrew Dost.

Preferências individuais à parte, o amor de todos eles pelos Beatles prova o que Ruess disse: os rapazes não estão tentando ser alternativos. O fun. é uma das poucas bandas de rock que abraçaram a paixão de nossa era pelos ganchos musicais grandes, e seus integrantes foram recompensados por isso; enquanto falam, o animado hino glam-pop “We Are Young” já vendeu mais de cinco milhões de cópias digitais. É o ponto alto do segundo álbum da banda, Some Nights, uma esperta coleção de cancões pop injetadas de hip-hop e com melodias teatrais que ecoam a influência de grupos extravagantes dos anos 70, como Queen e Electric Light Orchestra.

Apesar disso, eles têm uma boa carga alternativa em seus históricos, via bandas anteriores – incluindo o Format, grupo pop sofisticado e moderadamente bem-sucedido que Ruess liderou durante os anos 2000. “Nate e eu nos encontramos em um show punk em Nova Jersey, e ambos achamos que o outro era um babaca pretensioso”, diz Antonoff, 28. “Poucos meses depois, acabamos na mesma turnê. Passamos três dias um achando que o outro era ruim pra caramba, e no quarto dia ficamos amigos.”

Os caras do fun. são machos alfa clássicos – confiantes, argumentativos e carismáticos. Ruess confessa uma misantropia ocasional que parece estranha em comparação com a teatralidade de suas melodias. “Eu sempre meio que desprezei todo mundo”, diz o vocalista, que foi criado em Phoenix e se mudou para Nova York há alguns anos. “Nunca senti que seria capaz de me conectar com alguém porque eu era ou emocional demais ou não tinha emoção nenhuma, nunca um meio termo.” E completa: “Lembro-me de ir aos shows do Weezer e todo mundo parecia renegado. Sempre quis que nossos fãs sentissem que qualquer um pudesse chegar junto sem sentir o peso de serem julgados.”

“Quando frequentei a escola pública, eu era torturado por ser gay – e nem sou gay”, diz Antonoff. “Acho que podemos todos nos identificar com como é sentir que o mainstream norte-americano nos acha bestas. Mas, mais importante, as pessoas deveriam ser iguais. Ponto.”

O primeiro álbum do fun., Aim and Ignite, era um chamber pop sem influência de hip-hop. Enquanto se preparavam para o segundo, Ruess se apaixonou perdidamente por My Beautiful Dark Twisted Fantasy, de Kanye West, e Thank Me Later, de Drake, e imaginou como seria combinar a sensibilidade melódica retrô do fun. com a produção futurística daqueles álbuns. Os discos de Kanye e Drake tinham algo em comum: o produtor Jeff Bhasker. Ruess e Bhasker se encontraram em Nova York no começo de 2011, e o vocalista, bêbado, cantou o refrão de “We Are Young” para Bhasker. “O queixo dele caiu até o chão.”

Um produtor cheio de credenciais como Bhasker pode cobrar mais de US$ 30 mil por música, mas o fun. conseguiu os serviços dele por um preço reduzido. “Mais que qualquer recompensa financeira, acreditei em Nate e nas canções”, diz Bhasker. “Eu estava lutando para fazer um ‘álbum do ano’. Kanye é mestre em trazer o conceito de alta arte para as massas, e foi meio que como um teste Jedi para ver se eu conseguiria pegar o que aprendi dele e aplicar a este projeto.”

Os Beatles tiveram muitos sucessos; até agora, o fun. só tem um. Frequentemente as pessoas perguntam a eles: “E se vocês forem uma banda de um sucesso só?” Ruess fica pensativo. “É estranho, porque o Dexys Midnight Runners foi uma banda de um sucesso só, e é uma das minhas bandas favoritas. Por isso, uma parte de mim pensa: ‘Tudo bem se formos como o Dexys’. Mas a outra parte de mim – provavelmente a parte que me trouxe até aqui – fica tipo: ‘Tudo bem, agora todas as músicas precisam ser ainda melhores’”.