A Arte do Golpe

A comédia Os Penetras explora o universo da trambicagem como meio de vida

Stella Rodrigues Publicado em 12/11/2012, às 14h40 - Atualizado às 14h42

TRAMANDO Sterblitch (centro) com Adnet (dir.) e Stepan Nercessian em cena de Os Penetras
ARIELA BUENO/DIVULGAÇÃO

Comédias românticas ou sexuais são os gêneros do cinema brasileiro com mais garantia de um público amplo. Mas, na comédia Os Penetras, o diretor Andrucha Waddington explora um subgénero diferente, o dos especialistas em trambicagem. Esse tipo de personagem ganhou um conjunto especial de características ao habitar o Rio de Janeiro – e se tornou um típico malandro da cidade.

Quando teve a ideia do projeto, há cinco anos, Waddington tinha em mente os dois atores mais em voga naquele momento: Rodrigo Santoro e Selton Mello. Agora que o projeto saiu do papel, seguiu a mesma linha, e com os protagonistas Marcelo Adnet (Marco) e Eduardo Sterblitch (Beto). Marco “é um cara que respira a rua, os traficantes, as prostitutas, os malandros, os bicheiros, os policiais, todo esse universo, é meio filho do lixão”, define Adnet. “Sobrevive de trambiques e contatos – e isso existe mesmo, é uma coisa muito carioca”, diz, fazendo ressalvas para não perpetuar estereótipos injustos sobre os habitantes do Rio. Porém, ao contrário de Waddington, Adnet acha que o filme não poderia se passar em outra cidade.

Já Beto é “lunático”, na definição do diretor. “Eles se unem pelo interesse de um e pela carência do outro”, explica. “Falamos de dois arquétipos da classe media jovem. Hoje o mundo está mais para os malandros do que para esse tipo de personagem”, analisa, falando do ingênuo, “mas o Edu o construiu de maneira muito crível”. Junta, a dupla passa por uma jornada de aprender o jeito de encarar a vida um do outro enquanto frequentam eventos para os quais não foram convidados.

Talvez pelo fato de Beto ser extremamente “chato! Fica falando perto, agarrando na blusa”, como diz Adnet, o filme gera um apego ao personagem. “É porque tem drama”, diz o diretor, lembrando-se dos conflitos internos de Marco, cuja consciência dá as caras eventualmente. “Sem drama você não torce pelos personagens, tem uma comédia fria.”