Digno de Museu

Aos 86 anos, Chuck Berry relembra a carreira e dá pistas do que deve vir por aí

Patrick Doyle | Tradução: J.M. Trevisan Publicado em 13/12/2012, às 15h39 - Atualizado às 15h40

SEM VENCIMENTO Chuck Berry ao vivo em Cleveland: ele não pretende parar de fazer shows
JOSHUA GUNTER/ THE PLAIN DEALER/LANDOV

No fim de outubro, Chuck Berry sentou-se à mesa de uma sala de conferências no Hall da Fama do Rock and Roll, em Cleveland. “Não dá para chegar a um posto mais alto do que este na minha profissão”, disse ele, sorrindo. Então, fez uma pausa. “Estou refletindo sobre meu futuro”, falou, erguendo o indicador. “Isso é que é notícia!” Ao pedirem para que ele contasse mais a respeito, o guitarrista inclinou-se para a frente, a voz baixa: “Bem, darei a vocês um pouquinho de poesia: ‘Dar uma canção? Não posso mais. Meu tempo de cantar já passou. Minha voz se foi. Minha garganta está gasta e meus pulmões estão se acabando rápido’. Acho que isso explica tudo.”

Mas, aos 86 anos, Berry ainda tem um leque de surpresas. Poucas horas depois, tocou no State Theatre – rindo, fazendo seu tradicional “duck walk” e martelando a Gibson 335 em “Johnny B. Goode” e em uma escaldante versão de 12 minutos de “Reelin’ and Rockin’”. Foi o grand finale de um emocionante tributo ao seu trabalho, com participação de Merle Haggard, Lemmy Kilmister (Motörhead), Darryl “DMC” McDaniels (Run-DMC) e outros. No fim da noite, Berry aceitou o prêmio American Masters of Music, dado pelo Hall da Fama, ao lado da esposa, de 64 anos, Themetta. “Tenho 86”, ele disse. “Me sinto feliz em qualquer lugar!” O show exemplificou bem o quão longe vai a influência de Berry. “Foi um dos meus primeiros heróis”, disse Kilmister. “Gostava de sua atitude. Ele tinha aquele sorriso e o bigode fininho – como um sedutor, sabe? Ele sempre foi como um cão no cio, e eu também.”

Chuck Berry admite que não está mais satisfeito com a qualidade das próprias performances, a despeito dos ingressos sempre esgotados para o show mensal que faz no Blueberry Hill, em St. Louis. “Eles estão se divertindo por causa de suas lembranças”, disse. “E espero que eu possa continuar intensificando essas memórias, porque elas parecem cada vez mais pálidas.” Mas isso não quer dizer que o músico vá se aposentar. “Isso nunca acontecerá, enquanto eu puder enxergar um pouco, ouvir um pouco e tocar um pouco. Sempre vou querer tocar. Acho que está nos meus genes.” Ele inclusive deve retornar ao Brasil, em abril de 2013.

Na verdade, o guitarrista diz que tem planos para lançar seu primeiro álbum de músicas inéditas desde 1979. “Tenho seis músicas que estão prontas há, acho, 16 anos”, ele conta. “Quero lançá-las.” Ele sorri, com os olhos castanhos brilhando com intensidade, e promete: “Vou voltar [a gravar] e botá-las para fora, se é que você me entende”.