Criador de Confusão

O líder do Odd Future fala sobre homofobia e Miley Cyrus

Rob Tannenbaum | Tradução: J.M. Trevisan Publicado em 14/05/2013, às 15h07 - Atualizado às 15h10

Tyler, the Creator
John Shearer/WireImage

Quando se trata de Tyler, the Creator, você tem de escolher um lado. Ou você ama o Odd Future (o grupo de rap que Tyler lidera), porque eles estão expandindo fronteiras, ou acha que o coletivo é antigay e misógino. No terceiro disco solo de Tyler, Wolf, ele continua a misturar temas bizarros ao ritmo acelerado das mídias sociais, que usa com maestria.

Você diz no Twitter que seu álbum novo é uma porcaria. Por quê?

As batidas são péssimas. Meus raps pioraram. Não tenho 2 Chainz ou Kendrick Lamar ou Drake nele. Ninguém vai gostar do meu disco. Quero dizer, eu pessoalmente não gosto.

Quantas estrelas você daria?

Uma e meia. Talvez duas.

Talvez você esteja só enjoado dele?

Não, não é isso. É que é ruim mesmo [risos]. Não, eu estou brincando, cara. Sei que o álbum está redondo pra caralho. É incrível. Eu só estava trolando todo mundo dizendo que não presta. Acho que é nota 10.

Sabia que Frank Ocean era gay?

Sim, e fui uma das primeiras pessoas para quem ele contou. Eu meio que sabia porque ele gosta de Pop Tarts sem cobertura, então tinha de haver algo de esquisito [risos]. Mas ele é meu mano.

Você gravou com a Miley Cyrus. Já a perdoou por ter falado no Twitter que o seu rosto é “um trabalho de merda”? Essa foi bem boa.

Foi fraca demais. Legal de verdade foi quando eu a chamei de Butters, do South Park, por causa do corte de cabelo horrível dela. Queria que mais gente gostasse dela.