RÁPIDAS COM... Nigella Lawson

A apresentadora e cozinheira esteve no Brasil para lançar o livro Na Cozinha com Nigella

Carina Martins Publicado em 11/06/2013, às 14h22 - Atualizado às 14h22

Nigella Lawson
lis parsons/divulgação

Paixão pelas palavras

“Eu me interessei em escrever sobre comida por causa do meu amor pela linguagem. Queria ver se conseguia usar uma linguagem puramente abstrata para descrever o que é uma linguagem dos sentidos. Para mim, quando escrevo, ou quando leio, é o sabor das frases que me deixa feliz. Acho que vivencio as palavras como gostos e sabores.”

Alta gastronomia versus cozinha caseira

“Acho realmente um absurdo louco que alguém tente copiar todas as limitações sob as quais um chef profissional precisa trabalhar. Fico chateada quando alguém diz: ‘Ah, só cozinho em casa’. Como assim, só? Deveriam pensar: ‘Graças a Deus eu não preciso lidar com isso. Posso simplesmente colocar um frango no forno’.”

Gastronomia new wave

“Fui a um lugar outro dia em que transformaram ricota em pó. Não disse nada para não ser grossa. Existem gênios, como Heston Blumenthal, que conseguem fazer coisas que soam ridículas terem um sabor sensacional. Mas há gente que só quer estar na moda, que não são gênios, e, portanto, as coisas que soam ridículas terão um gosto ridículo.”

Emagrecimento

“Não emagreci tanto. Sempre oscilo. E tinha engordado, mas não era tanto. Vi uma foto minha de ‘antes’, e estava photoshopada! E muito mal, só mexeram de um lado, eu parecia uma criatura esquisita com uma bola de um lado só [risos]. Me sinto mal quando dizem que emagreci, porque aí as pessoas me encontram e vão dizer: ‘Mas ela não é magra!’ [risos] É um escrutínio, mas a verdade é que todos nós nos interessamos por essas coisas.”