5 perguntas - Mudando de Assunto

Líder do 30 Seconds to Mars e ator, Jared Leto não gosta de falar sobre cinema

Stella Rodrigues Publicado em 16/07/2013, às 17h58 - Atualizado em 14/01/2014, às 17h31

Quase calmo Leto se diz “ansioso” para tocar por aqui
Divulgação

Com o recém-lançado Love, Lust, Faith and Dreams, o 30 Seconds to Mars se prepara para desembarcar no Rock in Rio, em setembro. O vocalista Jared Leto nunca foi tímido em professar todo o amor dele pelo Brasil. Aliás, em entrevista por telefone, ele desanda a falar exatamente isso antes da primeira pergunta. “Todo mundo sabe o quanto amo o Brasil, vai ser muito divertido”, dispara com uma simpatia que duraria até o final da conversa. Ou quase.

30 Seconds to Mars abraça o público adolescente, mas quer amadurecer.

O que vocês estão esperando do Rock in Rio?

Ouvia falar do Rock in Rio quando era criança. Via fotos, bandas como o Iron Maiden fazendo shows enormes, você via na MTV... estou incrivelmente empolgado, será uma loucura. Sempre temos shows ótimos no Brasil, porque as plateias são maravilhosas.

Como funciona a divisão de quatro segmentos neste álbum conceitual, Love, Lust, Faith and Dreams?

Chegamos a um ponto da vida em que somos nós mesmos mais do que nunca. Quando você escuta este disco, ouve 30 Seconds to Mars [que ainda conta com Shannon Leto e Tomo Milicevic ] – não as nossas influências, como podia ser no passado. Temos um senso melhor de exploração, descoberta, experimentação. É um recomeço para nós. Penso nos quatro temas como equivalentes emocionais aos elementos da vida. Você não pode viver a vida sem amor, luxúria, fé e sonhos. São os quatro ingredientes fundamentais para a vida em si. Como terra, ar, água e fogo.

Qual elemento associa a qual sentimento?

Não sei... Acho que ar seria a fé. Talvez água fossem os sonhos. Fogo seria a luxúria e terra seria amor. Que tal?

O quanto do novo disco traz essa nova fase e o quanto é o “feijão com arroz” do 30 Seconds to Mars?

Gostei da pergunta. Eu acho que músicas “Birth”, “Conquistador” e “The Race” têm elementos do passado. “Up in the Air” é uma colisão do velho e do novo. E faixas como “Brigth Lights” e “End of All Days” são muito diferentes. “Northern Lights” e “City of Angels” são classicamente 30 Seconds to Mars.

Você passou por uma experiência bem radical de perda de peso para seu papel no filme Dallas Buyers Club. Já está recuperado? Como foi essa experiência intensa?

Eu já tinha feito algo assim em Réquiem para um Sonho e... Bom, obrigado pelas perguntas, agradeço pelo seu tempo, espero te ver no Rock in Rio! Adiós. Ou seja lá o que vocês falam, não ligo. Tchau.