Bruno Mazzeo vive um roqueiro sem noção no monólogo Sexo, Drogas & Rock 'n' Roll

Stella Rodrigues Publicado em 07/08/2013, às 13h02 - Atualizado em 27/09/2013, às 13h03

ATITUDE Mazzeo em versão roqueira
Divulgação

A paixão de Bruno Mazzeo pelo rock estará aos cinemas no primeiro semestre de 2014, com Muita Calma Nessa Hora 2, que se passará em um festival análogo ao Rock in Rio. E também pode ser presenciada atualmente no monólogo Sexo, Drogas & Rock’n’Roll, em cartaz até outubro no Teatro do Leblon, no Rio de Janeiro. No palco, Mazzeo vive um astro do rock desconectado da realidade, em uma adaptação do texto do norte-americano Eric Bogosian que foi destaque no circuito off-Broadway dos anos 90. “Talvez o autor tenha juntado a loucura do [Keith] Richards com o egocentrismo do [Mick] Jagger, a questão filantrópica do Sting e uma pitada de Morrissey...”, ele conta. “Foi um personagem que adaptamos bastante, porque não acho que a gente tenha no Brasil essa cultura da figura do rockstar.”

Já em Muita Calma Nessa Hora 2, o ator irá relembrar ciladas baseadas em fatos reais pelas quais passam os típicos frequentadores de festivais. “Lógico que a gente carregou na tinta”, Mazzeo diz, adiantando que no evento fictício há “astros de verdade, como Chiclete com Banana, Jota Quest, Marcelo D2”, e “personagens criados, como meu sertanejo universitário e o Rafael Infante, brilhante como o líder de uma banda estilo Los Hermanos”.