A princesa que mantém Snoop aceso

Conheça a Doutora Dina, a verdadeira rainha da maconha medicinal californiana

Vanessa Grigoriadis | Tradução: Lígia Fonseca Publicado em 13/08/2013, às 13h45 - Atualizado às 13h47

Doutora Dina

Nos anais das coisas estranhas que acontecem na juventude, há poucas experiências mais esquisitas do que fumar maconha pela primeira vez na vida com Snoop Dogg. Foi o que ocorreu com a doutora Dina. “Eu era totalmente certinha e careta – ganhei o prêmio de ‘Maior Dedo-Duro’ no último ano do colégio”, conta. Uma noite, foi à casa de uma amiga, cujo pai era David Kenner, advogado de Snoop quando ele foi julgado (e inocentado) por assassinato na década de 90. “Snoop estava no quintal fumando um baseado e os garotos disseram: ‘Ah, cuidado com a Dininha, ela vai te denunciar’”, ela conta. “E ele falou: ‘Ah é? Venha aqui, fume isto’. Respondi: ‘Nem pensar’. Ele retrucou: ‘Dá um tapa nisto agora mesmo’. Então fumei.”

Ex-Dogg, Snoop diz que encontrou a paz no rastafári. Mas será que ele mudou de verdade?

Atualmente, Dina é uma “consultora em maconha medicinal” para os rappers Snoop e 2 Chainz e também para “uma das últimas primeiras-damas vivas”. Não é a carreira que imaginou que teria.

Um dia, em 2002, recebeu a ligação de um amigo que estava com câncer nos testículos. A pior coisa da doença era não conseguir engolir os remédios nem a comida. Doutora Dina teve uma ideia: levaria um baseado para ele. “Meu amigo me ligou no dia seguinte e disse: ‘Dina, você salvou a minha vida, mas minha mulher não gosta que eu use drogas ilegais. Como posso conseguir mais legalmente?’”

Ela encontrou um médico em São Francisco que lhe deu maconha medicinal. Inspirada pela experiência, ela facilitou a abertura de um consultório médico. Achou que seria ótimo ter uma celebridade como cliente – e conhecia a pessoa certa para contatar. Agora, Dina está tentando se estabelecer como o rosto simpático de relações-públicas do movimento pró-maconha medicinal.