Uniões e Reuniões Improváveis

Enquanto vira embaixador de game e lança seda para cigarros, D2 cogita outro retorno do Planet Hemp

Pedro Antunes Publicado em 11/10/2013, às 13h23 - Atualizado às 14h17

Mantendo o respeito
Marcelo D2 relaxa no o?nibus de turne? do Planet Hemp, neste ano
Washington Possato

Nos últimos meses, Marcelo D2 se aliou a duas marcas que não poderiam ser mais díspares: lançou uma seda para enrolar cigarros com a marca aLeda e se tornou embaixador do novo game Fifa 14, com a música “Você Diz Que o Amor Não Dói”. São duas atividades que talvez, para o músico, não sejam tão diferentes assim. “Eu não sei quanto a você, mas eu uso os dois juntos”, ele diz, antes de cair na gargalhada. D2 se define “fanático” pelo game, embora jogue “mais em quantidade do que em qualidade”. “Acho que 90% dos garotos crescem querendo ser jogador”, explica. “Tentei entrar no Flamengo e na Portuguesa Carioca, não passei nos dois. O Fifa deixa você mais próximo disso.” D2 também considera o jogo um “grande companheiro de turnês”: até mesmo nos recentes shows de reunião do Planet Hemp, o passatempo esteve presente. "Montamos um telão [para jogar] na passagem de som no Estância Alto da Serra [em São Paulo]", conta. Enfim, o assunto chega à banda que ajudou a projetar D2 como rapper. “Eu e o Bernardo [BNegão] ficamos oito anos sem nos falar. Pô, isso é muito idiota. Todo mundo ficou feliz com isso”, afirma ele sobre a volta, que teve shows nas edições brasileira e norte-americana do festival Lollapalooza. E um outro retorno do Planet Hemp, será possível? “Se me perguntassem no começo do ano, responderia: ‘Não’”, D2 diz. “Não posso mais falar isso. O que era impossível agora virou possível.”