Vencendo o câncer e as drogas, Nile Rodgers se tornou a grande inspiração da música eletrônica

David Browne | Tradução: Ligia Fonseca Publicado em 08/01/2014, às 11h44 - Atualizado às 11h50

SUiNGUE MATADOR
Rodgers no apartamento onde mora, no Upper West Side, em Nova York
Josh Goleman;

Há pouco mais de um ano, os dois integrantes do Daft Punk estavam no amplo apartamento do guitarrista Nile Rodgers, fundador do mítico grupo Chic, em Nova York. “Eles me perguntaram: ‘Como você fez os discos do Chic?’ E respondi: ‘Vou contar para vocês’”, relembra Rodgers, 61 anos, que gravou a guitarra do hit “Get Lucky” em menos de uma hora. Depois de lutar contra o vício em drogas e álcool e ficar fora das paradas por 25 anos, o guitarrista e os agitados hinos de discoteca que ele criou se infiltram no pop mais uma vez. Além de “Get Lucky”, a guitarra indefectível dele está presente em “Lose Yourself to Dance”, também do Daft Punk; e em “Lay Me Down”, de Avicii e Adam Lambert. “Sou amigo de DJs desde o começo”, conta Rodgers. “São eles quem fizeram o Chic grande, então é algo confortável para mim.”

O som que o Daft Punk queria recriar foi elaborado por Rodgers e pelo baixista Bernard Edwards em 1977, quando formaram o Chic e começaram a gravar os hits que embalavam pistas em todo o mundo: “Le Freak”, “I Want Your Love” e “Good Times” invadiram as paradas e definiram a era. Em 1983, o Chic havia se esvaído, mas o caminho de Rodgers estava longe do fim. Com Let’s Dance, de David Bowie, ele se tornou um dos maiores produtores pop, conduzindo Like a Virgin, de Madonna, e faixas com The B-52s, INXS, Mick Jagger e Duran Duran. No entanto, no começo dos anos 90, Rodgers era um alcoólatra viciado em cocaína. O hábito chegou ao fim depois que ele foi a uma festa de aniversário de Madonna em 1994 e a psicose bateu. “Eu tinha me escondido em um armário com uma espada de samurai, esperando que a máfia viesse me matar”, lembra. “Tinha fantasiado tudo, mas era real [para mim].”

Nas quase duas décadas entre o colapso e o estouro de “Get Lucky”, Rodgers se manteve discreto, vivendo com a renda de royalties e licenciamento de músicas do Chic. No começo, evitou frequentar estúdios: “Parecia perigoso, por causa das drogas”. Ele começou a produzir faixas para videogames e a trabalhar em discos de Britney Spears e Joss Stone. Então, quando estava a caminho de um show do Chic em 2010, o médico avisou que ele havia sido diagnosticado com câncer. Depois de três cirurgias, durante as quais teve a próstata removida, Rodgers percebeu que poderia não ter tanto tempo quanto achava. “Precisava de uma válvula de escape”, afirma. “Pegar todas as ideias musicais e concentrá-las nas pessoas.”

Em julho, Rodgers anunciou que estava “totalmente livre” do câncer, embora ainda tenha de fazer check-ups. Ele está planejando um novo álbum do Chic que pode incluir pelo menos uma faixa com produção adicional do Daft Punk. “A dance music voltou para me salvar e me colocar de volta à ativa, quase como Al Pacino”, diz, rindo. “Bem quando eu tentei sair, eles me puxaram de volta!”