Amigos para Sempre

Um ano após a estreia, atores de Friends aproveitavam o enorme sucesso da série

Ted Drozowski Publicado em 11/07/2014, às 12h33 - Atualizado às 15h16

Amigos para Sempre

Friends foi ao ar de setembro de 1994 a maio de 2004. Em pouco tempo, já era um fenômeno de popularidade. A equipe da Rolling Stone foi, no ano seguinte à estreia, conhecer os bastidores do programa. “Friends não é nada realista”, relatou o jornalista David Wild na reportagem. “Na série, seis pessoas atraentes e inteligentes com empregos ruins moram em apartamentos caríssimos, bebem toneladas de café e não fazem sexo umas com as outras.” Jeniff er Aniston, que vivia Rachel Green, falava que os atores eram realmente amigos. “É mesmo uma festa do amor. Meio enjoativo, não?” Matt LeBlanc, o intérprete de Joey Tribbiani, brincava com a colega: “Não tem brigas aqui. Exceto quando eu acabo com a graça da Jennifer”. Depois, ele fi cou mais sério e refl etiu sobre o apelo da série: “Eu acho que Friends representa um período da vida com o qual todos podem se identifi car”, disse. “É quando você está começando a jornada para a maturidade, antes de fazer escolhas defi nitivas. Os jovens estão loucos para seguir em frente. Os mais velhos olham para trás e refletem. E gente da nossa idade assiste ao programa para pegar dicas sobre relacionamento.” Sobre possíveis comparações com Seinfeld e Ellen, outras séries de sucesso que mostravam a relação de um grupo de amigos de cerca de 30 anos, David Schwimmer, que interpretava o personagem Ross, falava que “Friends não é pessimista como essas séries”. “As pessoas retratadas aqui têm coração e são vulneráveis. Se esses personagens se separassem, fi cariam realmente magoados”, afirmou.