Pulse

#choraindie: Um protesto contra quem vai a show de rock para posar de cool em vez de se divertir

Porque, no fundo, não há diferença alguma entre Arctic Monkeys e Gorillaz

Miguel Sokol | Ilustração: Gabriel Góes Publicado em 31/07/2014, às 17h16 - Atualizado às 19h52

Um protesto contra quem vai a show de rock para posar de cool em vez de se divertir.

Se música fosse macaco, crítico musical seria cabeleireiro de zoológico, afinal, rotular banda é uma atividade tão eficiente quanto pentear macaco. Assim, onde está escrito “alt. country” ou “new romantic”, eu leio “chimpanzé de babyliss” ou “mico de chapinha”, isso para não dizer simplesmente blá-blá-blá.

Vocalista do Flaming Lips se apresenta com Miley Cyrus e grava cover dos Beatles em estúdio.

Pessoalmente, utilizo apenas dois rótulos: “gosto” e “não gosto”. Porque, no fundo, não há diferença alguma entre Arctic Monkeys e Gorillaz, por exemplo. De Madonna a Black Sabbath, tudo é a mesma coisa: gravar músicas, lançar discos, dar entrevistas e fazer shows para fãs histéricos se descabelarem. Certo?

Relembre dez grandes encontros da história do rock.

No Brasil, não. Por motivos que merecem sério estudo antropológico, os famigerados indies não se descabelam mais. Por aqui, shows de rock com esse rótulo se transformaram em desfile de moda – ver e ser visto. E eu não estou falando da celebridade interessada apenas em fazer chifrinho com a mãozinha para a fotinho da "coluninha" social do dia seguinte. Os fãs resolveram se comportar como críticos, e o pior, deles mesmos; se autorrotulando, autoanalisando e, principalmente, agindo como seres humanos superiores por entender desta ou daquela banda. Como se posar de indie fosse muito diferente de ser um belieber.

5 revelações chocantes sobre Justin Bieber que aprendemos com a matéria da Rolling Stone EUA.

Não é! E eu posso provar. Não uma, mas cinco vezes! Pois indie e pop, esses dois mundos supostamente tão diferentes, tem flertado um com outro, lembrando os a mais arrogantes que, sim, é tudo farinha do mesmo saco! Lembrando esse fato eu comentarei cada um desses flertes com uma hasteg. Quem sabe assim os nossos indies não descem do salto, não é? Lá vai:

1- Flaming Lips, aquela banda doidinha, psicodélica e perigosa que fez os punks finalmente tomarem ácido... anda gravando e se apresentando ao lado da Miley Cyrus. #choraindie.

2-David Bowie, o camaleão, o artista que pode ser contemplado até em museu... é trilha sonora do novelão das 21h. #choraindie.

3-Patti Smith, a poetisa laureada, uma das roqueiras mais influentes de todos os tempos... cantou “Stay”, da Rihanna, durante um de seus shows, errou a letra e se justificou dizendo que estava nervosa com a música. #choraindie.

4- O revolucionário Wu-Tang Clan, grupo referência para o rap como o conhecemos... acaba de gravar com a Cher para o próximo disco do grupo. #choraindie.

5- Haim, aquele trio muito cool de irmãs descoladas, gosta de tocar... “XO”, da Beyoncé. #choraindie.

Por um fã menos esnobe, por um show de rock mais fanático e divertido, aliás, como já foi um dia – e ainda é o show de pop, teen pop ou qualquer outro rótulo. Dê uma banana para os críticos, faça parte deste movimento e use a hashtag, porque rock não é academia para fãs ficarem comparando o tamanho de seus bíceps musicais. #choraindie.