A Verdade de Nicolelis

O principal cientista do Brasil na atualidade diz ter sofrido calado quando viu seu maior projeto virar motivo de piada na abertura da Copa. Agora, ele deixa o silêncio e não poupa culpados, da imprensa à Fifa

André Rodrigues | Ilustração: Marcelo Fahd Publicado em 23/08/2014, às 15h15 - Atualizado às 15h15

Ilustração: Marcelo Fahd

Ver Galeria
(3 imagens)

O neurocientista Miguel Nicolelis está chocado. Estamos na sala dele no laboratório do projeto Andar de Novo (ou Walk Again, em inglês), em São Paulo, às 10h30 da manhã de uma segunda-feira. Ele abre uma latinha de refrigerante e balança negativamente a cabeça ao descobrir que Dunga é o novo técnico da seleção brasileira. Em 2014, esse palmeirense fanático de 53 anos não para de se espantar com o futebol.

Formado em medicina pela USP, Nicolelis vive nos Estados Unidos desde 1989, de onde comanda avançadas pesquisas sobre neurociência. Paulistano, filho de uma escritora e de um juiz, ele se tornou uma espécie de popstar da ciência, o craque que poderia trazer um prêmio Nobel para o país. Pelo menos era assim enquanto testava suas hipóteses com macacos e roedores longe do Brasil. Mas, a partir de 2003, quando investiu as energias na construção do Instituto Internacional de Neurociência de Natal Edmond e Lily Safra, na periferia de Natal (RN), o cenário mudou: os rivais surgiram e Nicolelis passou a ser o centro das atenções e de uma polêmica disputa por verbas e equipamentos. “Acho que hoje vou bater meu recorde com a caneta”, brinca enquanto começa a assinar um calhamaço de papéis. Naquele mesmo dia Nicolelis embarcaria para casa, na Carolina do Norte, Estados Unidos, onde está à frente do laboratório na Universidade Duke. “Bom, mas faz parte do jogo”, diz, e continua a rabiscar seu nome na pilha de documentos.

Nessas partidas que disputa diariamente, a oportunidade de marcar um golaço surgiu com o projeto Andar de Novo, que atraiu o investimento de R$ 33 milhões do governo federal e o empenho de mais de uma centena de cientistas do mundo todo. A ideia principal está embutida no próprio nome da empreitada: fazer com que paraplégicos voltem a movimentar as pernas – e sintam que isso realmente está acontecendo. Para demonstrar um pedaço da sua tese, Nicolelis ficou responsável por criar uma estrutura (o exoesqueleto) que faria um paraplégico dar o chute inicial da Copa do Mundo no Brasil. Para o sistema funcionar, o paciente veste uma touca capaz de captar sinais do cérebro. As informações são transmitidas para um computador nas costas dele. Ali, a máquina transforma os dados em comando de movimento. “O exoesqueleto é controlado pelo cérebro e devolve o feedback. Esse é o achado científico que vai entrar para a história”, ele afirma. Porém, Nicolelis sentiu o peso de jogar diante da torcida brasileira. Tudo começou na transmissão da festa de abertura, na Arena Corinthians, em São Paulo. Por breves segundos vimos Juliano Alves Pinto, atleta paraplégico escolhido e treinado exaustivamente para a demonstração, dar o chute e... Só. Para muitos, foi como piscar os olhos e perder o primeiro passo do homem na Lua.

Rapidíssima também foi a reação na internet, inundada por críticas e também defesas apaixonadas. Para quem esperava um filme de ficção científica, com uma espécie de RoboCop dando cambalhotas no gramado, a apresentação foi um fiasco. Os desafetos aproveitaram para chutar a canela do cientista, dizendo que Nicolelis tinha prometido muito mais do que cumpriu. “Foi curioso que de repente a gente tinha 200 milhões de técnicos de futebol e 200 milhões de cientistas”, diz, em uma fala mansa e bem-humorada. “Tem muita coisa que aconteceu que as pessoas não sabem. Eu tive que ficar quieto por seis meses. Agora é a minha vez.” A seguir, o neurocientista explica o que de fato aconteceu na abertura da Copa e conta o que sentiu ao ver seu projeto correr o mundo.

Participar da abertura da Copa do Mundo foi o momento mais difícil da sua carreira?

Ninguém faz ciência com esse prazo. Eu não me lembro de alguma coisa assim, com exceção dos caras indo pra Lua. As dificuldades que a gente encontrou com datas e para lidar com a Fifa... A sensação que eu tenho é que posso escrever um thriller. Ninguém tem ideia do grau de dificuldade. Mas o fracasso da seleção no campo contrastou com o sucesso do evento. Agora está reverberando que o Brasil fez uma demonstração científica na abertura da Copa. Por mais que a Fifa tenha feito só Deus sabe o que, porque ninguém sabe o que aconteceu.

Vamos falar sobre a abertura e o momento da transmissão do chute do Juliano. Por que a Fifa exibiu apenas aqueles poucos segundos?

Eu ainda não sei o que aconteceu. Ninguém me dá nenhuma explicação. Não só não dão para mim, não dão para o governo brasileiro, que também está tentando descobrir o que está acontecendo.

Mas o que vocês tinham conversado e programado?

Desde março a gente tinha recebido a instrução que eles queriam uma demonstração de um chute inaugural. E quando a gente viu isso, faltavam três meses para a abertura. Porque eles ficaram seis meses sem dar uma definição.

Quem são “eles”?

A Fifa e o comitê local. Eles disseram que a gente teria um minuto de apresentação. Não existe demonstração robótica de um minuto. Elas têm 30 minutos, 15 minutos. Pensávamos que teríamos três, cinco... Que já é uma loucura. Falaram que não tinha jeito. Primeiro, era para ser imediatamente antes do jogo. Depois o Valcke [Jérôme, secretário- geral da Fifa] mudou de ideia. Acho que alguém pressionou porque poderia dar errado... Porque também tem essa, ciência não é 100%. Ninguém pode garantir certeza absoluta. Mas chegamos muito perto disso. Então, trabalhamos com um minuto. Até pensamos em surpreender a Fifa e dar uma andadinha. Mas focamos em fazer o que eles pediram.

E esse um minuto envolvia o quê?

Eles só queriam o chute, o pontapé oficial. Mas aí fomos transferidos de última hora para a cerimônia de abertura, não para antes do jogo, como era o plano inicial, no meio do campo. A Fifa não queria no gramado o peso do carrinho de golfe que levaria o exoesqueleto. Mas aí, acho que menos de um mês antes do evento, chega a notícia de que agora seriam 30 segundos, porque a cerimônia estava muito apertada. E no último e-mail que a gente recebeu tínhamos 29 segundos! E não dava para usar os 29 segundos só para o chute, porque tinha que mostrar os outros pacientes... Para mim, era uma questão de honra mostrar a equipe. Então, reduzimos a demonstração do chute para 18 a 20 segundos. Nos testes, fizemos 55 chutes e 54 foram perfeitos. Um teve problema em um aclive. Mas o acordo era este: 29 segundos de câmera. Eu pensei que a gente teria um anúncio: “Agora, para o chute inicial...”. Mas não. Fizemos também um jogo de luzes que explicava o que estava acontecendo, mostrando que o Juliano e o exo estavam unidos. Opa, acho que já sei o que aconteceu!

O quê?

O diretor de câmera era corintiano, ele viu as luzes verdes do exo pulsando no meio do Itaquerão, ficou louco da vida e cortou [risos]. Bom, mas fizemos tudo em 18 segundos e no resto deveriam ter mostrado os outros pacientes e o pessoal celebrando. Só que a festa não era nossa. Talvez esse tenha sido o único erro. Nós nunca imaginamos que o fato de não termos o controle das imagens geraria qualquer tipo de problema, pois o resto controlamos tudo.

O que sentiu na hora do chute?

Foi uma explosão. Foi uma das coisas mais emocionantes que já testemunhei na minha vida. Aquilo foi a resposta depois de tudo que a gente teve que aguentar calado. Tenho e-mails aqui da Fifa que vão chocar muita gente se um dia forem publicados. Certos aspectos vou contar um dia, espero. Por exemplo, como a gente foi tratado no dia a dia, ou quando a gente foi lá para o estádio e ficou trancado numa salinha.

Começaram a falar que o Juliano não levantou, não andou...

Porque não deu. Naquele ambiente não era possível. Não foi permitido. Em março, quando soubemos do tempo, nos concentramos no chute. Todos os pacientes caminharam aqui no laboratório. Mas o importante é que quando eles caminharam aqui a gente registrou, está tudo filmado e documentado. Vamos publicar. E tem um documentário que estamos fazendo desde 2011, quando não tinha nada, quando era só ideia. Ano que vem será lançado. Os oito pacientes disseram pra nós: “A gente sente que está andando”. Não é que está sendo carregado pela máquina. Eles têm a sensação de que as próprias pernas deles é que estão andando.

Sobre as críticas, o que acha que aconteceu? Você virou uma espécie de bode expiatório?

Não se podia valorizar o trabalho de um pesquisador brasileiro financiado pelo governo e que tem simpatias pelo governo federal. Fomos colocados no embrulho da Copa. As pessoas que queriam atacar o governo federal, a mídia principalmente, colocaram a gente no rolo. Como se essa pesquisa estivesse atrelada a qualquer opinião, visão ideológica, qualquer porcaria partidária. Não está. É que o governo federal paga ciência no mundo inteiro.

Então, se o exoesqueleto não tivesse sido pensado por você...

Se eu não tivesse a opinião política que eu tenho seria outra coisa. Se fosse um cientista coxinha aí, um gringo...

Um norte-americano...

Pô, se fosse americano, então, seria maravilhoso. Imagine? Ter um americano aqui fazendo isso? Aí tudo bem [risos].

Quais os erros que parte da imprensa cometeu ao abordar o projeto?

A discussão foi feita por quem não tinha nenhum conhecimento científico, não tinha preparação. Houve pessoas da imprensa falando para mim que “o espetáculo não foi legal”. Você está brincando? Uma pessoa que está há seis anos na cadeira de rodas fica de pé, imagina um chute, chuta uma bola e sente que ela abriu a Copa do Mundo... Quanto vale isso? Para aquele indivíduo e milhões de pessoas? Estamos mostrando que existe uma esperança.

E por que vieram críticas também de cientistas e de outros profissionais da área?

Provincianismo. As pessoas acham que porque nosso projeto conseguiu todo esse recurso, eles não vão conseguir... Olha, é assustador. Ué, tenha a ideia e batalhe por ela! Eu levei três anos para viabilizar esse projeto. Ainda temos essa mentalidade do complexo do caranguejo. Sabe o que é? Na Carolina do Norte, para fazer o caranguejo você tem que colocar no pote e cozinhar os bichos vivos. Se você reparar, sempre tem um caranguejo que começa a escapar e quase chega na borda. Aí o que acontece? Os outros puxam ele para baixo. Esse é o complexo de caranguejo, que nós temos demais aqui. Sair da mediocridade é quase um crime para certos setores da sociedade.

Você acha que se expõe muito? Tem algum arrependimento?

Não. Um menino escreveu em uma revistinha aí dizendo que eu era fake, que minha emoção era falsa. Depois de 30 anos, de tudo o que eu fiz para realizar esse projeto, se não tiver um pingo de hipotálamo para me emocionar... A minha emoção é genuína, porque eu sei o que passei para chegar até aqui. Eu sei o que tive que deixar para trás quando fui embora. Não foi fácil perceber que, quando eu quis voltar, o pessoal da USP não queria que eu voltasse porque estava com medo da competição. O direito de me emocionar é meu. Não lamento expressar todas as opiniões que eu tenho.

Para te atacar, algumas pessoas também sempre ligam o seu nome ao PT.

Isso eu lamento. Um jornalista vai escrever uma reportagem supostamente de divulgação científica e começa a minha descrição falando que sou palmeirense e petista. Palmeirense eu sou, mas não tem nada a ver com a minha ciência. E petista... Cadê o documento de filiação? Eu não tenho! Eu apoio o modelo do Brasil? Apoio, como qualquer brasileiro tem o direito de apoiar. É um país livre. Eu vou votar agora para presidente pela primeira vez depois de 30 anos. Participei da campanha das Diretas Já, do movimento estudantil e ainda não votei para presidente porque sempre estava fora na época das eleições. Não tive a chance.

Mas vai votar no PT?

Olha, meu pai, que é juiz, disse que daqui pra frente eu tenho que falar que meu voto é secreto [risos]. As pessoas no Brasil não têm maturidade para entender que um cientista tem direito a uma opinião política.

Você sai plenamente satisfeito dessa experiência na abertura da Copa?

Nenhum cientista vai dizer para você que o projeto dele é perfeito, porque não é. Mas quando eu entrei nisso, sabendo o tamanho do rojão, e o fato de a gente ter entrado naquele estádio, o Juliano ter chutado a bola e ter demonstrado para o mundo inteiro que a ideia é factível... Para um cientista... Se a Fifa deu dez, 20 segundos... Isso para mim é firula. O que vale é que ele recebeu o feedback e sentiu. Agora é continuar com o projeto, com uma nova versão, reduzir o peso do exo, aumentar a potência, aumentar o rol de coisas que eles podem controlar... Mas tem ideias novas também. A próxima delas será um choque maior do que o Walk Again.

Faria tudo de novo?

Claro. Uma vez na vida vale a pena. Mas eu não faria de novo sem a gente controlar tudo. Só se a gente tiver total controle sobre as condições, o local, o tempo determinado e as imagens. A última demonstração pública de grande impacto da ciência brasileira foi em 1906, com o voo do 14 Bis. A gente queria fazer algo parecido. E foi feito aqui. Tudo aqui. E as pessoas que não entenderam vão ter que se conformar com a história.

Portas Abertas

Em novo livro, cientista revela os bastidores dos últimos dez anos de trabalho

Miguel Nicolelis lançou dois livros de divulgação científica, Muito Além do Nosso Eu e o infantojuvenil O Maior de Todos os Mistérios, que escreveu com a mãe, Giselda Laporta. Em julho ele enviou para a editora Companhia das Letras uma segunda revisão do seu novo trabalho, que ainda não tem data para ser publicado e leva o título provisório de Made in Macaíba. “Conto a história destes dez anos de volta ao Brasil e o projeto de Natal”, revela.

Nicolelis se tornou best-seller com o primeiro livro que escreveu, que, segundo ele, vendeu 45 mil exemplares (uma enormidade no cenário da literatura nacional). “Existe uma avidez na sociedade brasileira por livros de divulgação científica. Mas vejo pouca coisa sendo feita aqui. É que os cientistas brasileiros sofrem bastante ainda. Ser cientista em uma universidade federal é um fato heroico.” Ele conta que no próximo lançamento também vai tocar em pontos polêmicos de sua trajetória, principalmente em relação a certa patrulha ideológica e política. “A partir de 2010 eu comecei a sentir as represálias aqui no Brasil pelo que eu penso, falo e defendo. Coisas que não sentia antes”, afirma. “São histórias que eu conto no livro que

vão deixar as pessoas chocadas.”