Funcionários da Netflix fazem protesto contra especial de Dave Chappelle; entenda

“Nossa liderança nos mostrou que não defende os valores pelos quais somos responsáveis,” disse um funcionário em protesto contra Netflix

Jon Blistein, Rolling Stone EUA Publicado em 20/10/2021, às 14h55 - Atualizado às 14h58

None
Dave Chappelle (foto: Getty Images / Sean Rayford)

Atualização (20/10): Diante de uma greve planejada e liderada por funcionários trans e aliados, a Netflix emitiu uma declaração reconhecendo a ação: “Valorizamos nossos colegas e aliados trans e entendemos a profunda mágoa que foi causada,” disse um porta-voz da plataforma. “Respeitamos a decisão de qualquer funcionário que escolha prostestar e reconhecemos que temos muito mais trabalho a fazer tanto na Netflix quanto em nosso conteúdo.”


Funcionários trans e outros empregados da Netflix planejaram uma greve em protesto ao especial de comédia de Dave Chappelle, The Closer (2021), o qual contém piadas às custas de pessoas trans e LGBTQ+. Conforme relata o Los Angeles Times, a paralisação, apelidada de “dia de descanso”, foi organizada pelo grupo de funcionários chamado Team Trans*.

+++ LEIA MAIS: Joe Rogan defende Dave Chappelle após acusação de transfobia: 'Não é esse tipo de pessoa'

Os participantes não parecem interessados ​​em pressionar a Netflix para remover o The Closer, mas em pressionar a gigante do streaming a reconhecer o efeito prejudicial que o material de Chappelle pode ter na comunidade LGBTQ+. Eles também querem impulsionar a Netflix para lançar mais conteúdo LGBTQ+.

A greve estava marcada para o dia 19 de outubro de 2021, após um evento virtual no qual os funcionários da Netflix tiveram a chance de discutir o especial de Chappelle. A nota de um funcionário em um canal do Slack dizia: “Eu encorajo todos [os integrantes da] Team Trans* e aliados a não trabalharem para a Netflix neste dia.”

+++ LEIA MAIS: Channing Tatum responde polêmicas com Dave Chappelle: 'Machucou muitas pessoas'

O comunicado também dizia: "Como já discutimos por meio do Slack, e-mail, mensagens de texto e tudo mais, nossa liderança nos mostrou que eles não defendem os valores pelos quais somos responsáveis [...] Entre os inúmeros e-mails e falta de respostas, nos disseram explicitamente que, de alguma forma, não podemos compreender a nuance de determinado conteúdo. Não sei você, mas pedir que mostremos toda a história e não apenas as partes que prejudicam as pessoas trans e [LGBTQ+] não é um pedido absurdo.”

Em um comunicado à Rolling Stone, um porta-voz da Netflix disse: “Os especiais de DaveChappelle são consistentemente os especiais de comédia mais assistidos na Netflix e ganharam muitos prêmios, incluindo um Emmy e um Grammy por Sticks and Stones (2019). Apoiamos a expressão artística de nossos criadores. Também encorajamos nossos funcionários a discordar abertamente. ”

+++ LEIA MAIS: Dave Chappelle: Especial de comédia da Netflix gera polêmica, suspensão de funcionária e mais; entenda

Chappelle tem sido alvo de críticas crescentes por causa de piadas sobre pessoas trans e queer em especiais anteriores da Netflix. The Closerincluiu uma piada ostensiva comparando os órgãos genitais de pessoas trans com substitutos de carnes à base de plantas. Em outro momento, se autoproclamou TERF (uma feminista trans-excludente).

Após o lançamento do especial, os funcionários da Netflix começaram a usar um documento aberto de perguntas e respostas para levantar questões sobre como a empresa planeja lidar com a linha entre o comentário e a transfobia.

+++ LEIA MAIS: Grupos LGBTQ+ criticam Dave Chappelle por 'ridicularizar pessoas trans' em especial da Netflix; entenda

Três funcionários também foram brevemente suspensos após tentarem comparecer a uma reunião do conselho executivo, incluindo uma funcionária trans, Terra Field, que criticou o especial no Twitter.

A suspensão não estava relacionada aos comentários; Field e os outros dois foram restabelecidos desde então. No Twitter, Field disse que a Netflix não encontrou “nenhuma má intenção em minha participação na reunião.”