Gossip Girl: 5 coisas do reboot que não fazem sentido – idade de Zoya, professores fofoqueiros e mais [LISTA]

Apesar de manter a essência da série de original, algumas coisas no reboot de Gossip Girl não fazem o menor sentido

Mariana Rodrigues (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 11/10/2021, às 18h40

None
Reboot de Gossip Girl (Foto: Reprodução/HBO Max)

O reboot de Gossip Girl (2021) trouxe novos personagens, cenários e histórias, mas a essência da série original se manteve a mesma. No entanto, nem todas as mudanças da trama foram bem recebidas pelos fãs.

A versão de 2007 acompanhava os adolescentes da elite nova-iorquina que eram alvo de um blog de fofocas. Anos depois, o site foi revivido, dessa vez no formato de uma conta do Instagram que acompanha o dia a dia de uma nova geração de jovens.

+++ LEIA MAIS: 6 referências de Gossip Girl no reboot: rivalidade entre Blair e Serena, escadas do Met e mais [LISTA]

Apesar de um enredo envolvente, excelentes atores e figurinos incríveis, alguns elementos ainda parecem não se encaixar na série. Pensando nisso, confira cinco coisas sobre o reboot de Gossip Girl que não fazem sentido, de acordo com Screen Rant.

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Gossip Girl (@gossipgirl)

 


Os professores serem a Gossip Girl

Diferente da série original, o reboot mostrou logo no primeiro episódio quem estava por trás da Gossip Girl. No entanto, o fato de um grupo de professores espalhar fofocas sobre os alunos para discipliná-los não faz nenhum sentido. Além disso, o mistério da identidade da Gossip Girl foi um dos responsáveis pelo sucesso da primeira versão. Revelar o maior segredo da trama no início quebra um pouco da expectativa em relação ao futuro do programa.

+++ LEIA MAIS: Reboot de Gossip Girl terá participação do elenco original? Criador responde


Cenário pós-pandemia

Gossip Girlse passa em um mundo pós-pandêmico, em que o uso de máscaras e preocupação com isolamento social são coisas do passado. Na verdade, essa situação quase não é mencionada durante a série, o que torna completamente irrelevante trazer o assunto à tona se ele não é discutido. O reboot poderia facilmente ser ambientado em um cenário onde a pandemia nunca aconteceu.


A relevância da Gossip Girl em um mundo onde redes sociais já existem

Quando a série original foi ao ar, grande parte das redes sociais ainda não existiam ou não tinham se tornado populares. Por isso, a ideia de alguém vigiando cada passo de outras pessoas e divulgando tudo em um blog parecia tão interessante. Agora com Instagram, Twitter, Facebook e outras plataformas, qualquer um pode compartilhar essas informações a qualquer momento, tornando a função da Gossip Girl praticamente inútil.

+++ LEIA MAIS: Como revival de Gossip Girl reflete sobre privilégios? Showrunner explica


Privilégios dos protagonistas e a hipocrisia acerca deles

Assim como na versão anterior, os protagonistas são extremamente ricos e privilegiados — e o programa faz questão de deixar isso evidente mostrando a vida badalada e cheia de luxo dos jovens. No entanto, ao colocar os personagens protestando por situações como falta de moradia enquanto vivem em coberturas no bairro mais caro de Nova York não faz o menor sentido. Isso torna o protesto algo banal e até mesmo hipócrita.


Zoya ter quatorze anos

Muitas séries adolescentes usam atores mais velhos para interpretar personagens mais novos, como é o caso de Whitney Peak, quem faz Zoya no reboot de Gossip Girl. O problema, no entanto, não é a aparência dela e sim os comportamentos de Zoya que estão distantes de alguém com 14 anos. Ela tem posicionamentos muito fortes, se veste como alguém de 20 e poucos anos e apresenta um nível de maturidade muito maior que outros personagens mais velhos — algo muito difícil de acontecer com alguém tão novo na vida real.

+++ LEIA MAIS: 4 casais de Gossip Girl que nunca deveriam ter acontecido: de Chuck e Vanessa a Dan e Blair [LISTA]