Maurício de Sousa considera criar personagem gay para Turma da Mônica: 'Está chegando o momento'

Em entrevista, Maurício de Sousa conta que o segredo é 'copiar a realidade'

Redação Publicado em 22/07/2022, às 16h26

None
Maurício de Sousa. (Foto:divulgação)

Maurício de Sousa considera criar o primeiro personagem gay da Turma da Mônica. A declaração do cartunista veio de uma entrevista à Folha de S. Paulo publicada nesta última quinta-feira,21.

“A homossexualidade é um tema que a gente está discutindo faz tempo e aguardando o que vai acontecer socialmente para que possamos ter personagens gays. Está chegando o momento”, afirmou à Folha de S.Paulo.

Aos 86 anos, Sousa explica que o segredo para a longevidade do sucesso da Turma da Mônica é observar e copiar a realidade com cuidado para não ficar para trás, mas tampouco avançar o sinal, assim Maurício entende a importância de trazer diversidade às suas histórias.

+++LEIA MAIS: Pessoas estão ouvindo mais músicas antigas do que novas, diz estudo

"Eu não inventei nada. Tudo estava ao lado. Só copiei." disse o escritor que se inspirou em seus amigos de infância para a criar Cebolinha e Cascão, enquanto Mônica e Magali surgiram de suas filhas.

Em 2009, a MSP Produções criou Caio, amigo de Tina quem em algumas histórias, indicava ser comprometido com outro rapaz mas mesmo sem dizer abertamente que era gay ou bissexual, o personagem sofreu críticas e Maurício chegou à conclusão de que ainda era cedo para ter um personagem gay.

+++LEIA MAIS: Pacto Brutal: Por que o documentário não ouviu o assassino de Daniella Perez?

Mesmo que demorado, o cartunista não deixou de trazer diversidade para seus personagens. Em 2017, quase seis décadas depois de Jeremias, Maurício criou Milena a primeira personagem negra da Turma da Mônica. A ideia veio de Mônica Sousa, sua filha e diretora comercial do estúdio, quando fãs relataram durante sua palestra na ONU que faltava representatividade negra nas histórias de seu pai.

Personagens PCD (pessoas com deficiência) também estão nos gibis, é o caso de Humberto, mudo, Sueli, surda, André, no espectro autista, Luca, cadeirante, Tati, com síndrome de Down, e Dorinha, que é cega. Os personagens ganham histórias próprias com o objetivo de conscientizar as crianças, seus pais e professores.

+++LEIA MAIS: Luísa Sonza diz estar arrasada sobre morte de fã em show

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Mauricio de Sousa (@mauricioaraujosousa)

 


Anos de expectativa

No final de 2021 em uma entrevista à BBC News Brasil (via Metrópole) Maurício já havia falado sobre a possibilidade de um personagem homossexual na Turma.

“Estamos discutindo com os roteiristas, com o pessoal próximo da gente para que haja um personagem positivo. Em todos os sentidos," disse à BBC. 

A demora pode estar ligada a estratégia adotada por Maurício de Sousa desde a ditadura militar, período em que a Associação dos Desenhistas de São Paulo era tida como comunista, e o baniu dos jornais que compravam suas tirinhas.

+++LEIA MAIS: Após clássico de Guns N' Roses tocar em Thor: Amor e Trovão, banda surpreende nas paradas da Billboard

 "Meus personagens são crianças, e criança não mexe com política. A gente não faz ativismo. Tenho que usar o velho recurso da borracha. ‘Apaga.’ Isso é intocável." explicou Maurício em entrevista à Folha de S.Paulo.