Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

'Pixar virou uma marca anêmica', diz analista

Os últimos filmes da Pixar têm fracassado nas bilheterias praticamente sem margem de lucro

Redação Publicado em 06/07/2023, às 16h02

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Personagens da Pixar (Foto: Reprodução/Pixar)
Personagens da Pixar (Foto: Reprodução/Pixar)

No período pós-pandêmico, Pixar conseguiu destaque no Oscar com Soul (2020), mas o icônico estúdio de animação enfrentou diversos fracassos de bilheteria com a volta do público aos cinemas, como Lightyear (2022) e o recém-lançado Elementos (2023).

Em uma matéria para entender essa decadência do estúdio da Disney, Variety conversou com alguns especialistas do mercado. Vale lembrar como a empresa investe pelo menos US$ 200 milhões nos filmes, visto que a maioria desses projetos costumava arrecadar US$ 1 bilhão com facilidade.

+++LEIA MAIS: 'Elementos' tem a pior bilheteria da história da Pixar

No entanto, ficou muito mais difícil atingir esse número recentemente. Como o site relatou, a arrecadação da China virou uma realidade menor em decorrência das tensões com o Ocidente e à mudança de gostos, além da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Ou seja, existe uma necessidade de controlar custos, algo que leva tempo, segundo Variety. Longas de grande porte demoram de três a quatro anos para serem concluídos e lançados. Então, seria possível ver uma mudança de fato a partir de 2026.

+++LEIA MAIS: Pixar demite produtora que 'salvou' Toy Story 2; relembre história

"Leva muito tempo para um grande navio como a Disney mudar de rumo. A Pixar está se tornando uma marca anêmica. Está tão longe dos dias em que qualquer coisa lançada explodiria as portas," afirmou Paul Verna, analista principal da Insider Intelligence.