Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Quadro de Mondrian está exposto de cabeça para baixo há 75 anos, aponta historiadora

Segundo a pesquisadora Susanne Meyer-Büser, a obra "New York City I", de Piet Mondrian, vem sendo exibida de forma errada desde 1945

Pamela Malva • Publicado em 31/10/2022, às 17h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
O quadro "New York City I" em exposição (Foto: Divulgação/ Youtube/ NBC News)
O quadro "New York City I" em exposição (Foto: Divulgação/ Youtube/ NBC News)

Em 1945, o quadro "New York City I", do holandês Piet Mondrian, foi exposto pela primeira vez, no Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). Agora, mais de 75 anos depois, a historiadora Susanne Meyer-Büser descobriu que a obra vem sendo exposta de cabeça para baixo desde o princípio.

Conhecido por criar telas com cores sólidas e linhas retas, Mondrian compôs “New York City I” em 1941, utilizando fitas adesivas vermelhas, amarelas, pretas e azuis. Formado pela sobreposição das faixas em uma tela branca, o quadro está exposto em Düsseldorf, na Alemanha, desde 1980.

+++LEIA MAIS: Ativistas jogam sopa no quadro 'Girassóis' de Van Gogh em Londres

O problema é que, segundo a curadora e historiadora de arte Susanne Meyer-Büser, a obra está sendo exposta da maneira errada desde 1945. Em entrevista ao The Guardian, a pesquisadora, que estava preparando uma mostra sobre o vanguardista, afirmou que a tela está de cabeça para baixo.

O espessamento da grade deve estar no topo, como um céu escuro. Uma vez que apontei isso para outros curadores, percebemos que é algo muito óbvio. Eu tenho 100% de certeza que o quadro está de cabeça para baixo", afirmou Susanne.
Obra de Mondrian
"New York City I" como está exposto atualmente e a forma como deveria estar (Foto: Divulgação/NBC News)

A teoria de que as linhas mais concentradas deveriam estar na parte de cima do quadro é apoiada pelo fato de que outro quadro de Mondrian traz uma composição bastante parecida. Intitulada "New York City", a obra feita a óleo está exposta em Paris e conta com um maior número de faixas no topo da tela.

Além da pintura, uma foto publicada pela revista norte-americana Town and Country em junho de 1944 também traz uma pista importante sobre o quadro. Tirada no estúdio de Mondrian alguns dias depois de sua morte, a fotografia mostra o “New York City I” em um tripé, na posição que seria a correta.

+++LEIA MAIS: Brad Pitt artista plástico? Ator expõe obras inéditas em museu finlandês

Por fim, segundo Meyer-Büser, Mondrian provavelmente começou a trabalhar na sobreposição das fitas de cima para baixo, iniciando a tela pela composição concentrada. Essa teoria justificaria o fato de que algumas das faixas amarelas são milímetros mais curtas que o necessário para chegar à borda.

Curiosamente, ainda de acordo com Susanne, não é possível definir por que a obra foi exposta de ponta-cabeça. Isso porque até mesmo o fato do quadro não contar com a assinatura de Mondrian dificulta o processo de definir sua orientação correta, uma vez que a assinatura indicaria sua rotação.

+++LEIA MAIS: E se Os Simpsons vivessem em obras famosas? Artista reimagina personagens em pinturas históricas

Foi um erro cometido quando alguém removeu o trabalho de sua caixa? Alguém foi desleixado enquanto o trabalho estava em trânsito? É impossível dizer”, afirmou a pesquisadora.

O maior dos problemas é que, mesmo que ela realmente esteja de cabeça para baixo, a obra provavelmente nunca será virada do lado certo. "As fitas adesivas já estão extremamente soltas. Se você virasse a pintura de cabeça para baixo agora, a gravidade as puxaria para outra direção", segundo explicou Susanne, e danificaria a obra. “Agora isso é parte da história do quadro", afirmou a curadora.

+++ LEIA MAIS: Van Gogh: Artista vanguardista morreu sem sucesso, virou ícone e hoje está saturado? [ANÁLISE]