Em meio a condições degradantes, Acre é porta de entrada para haitianos e senegaleses