Para Roger Daltrey, “não há raiva suficiente” na música atual