Jay & The Americans defenderam o pop americano contra a invasão britânica
DIVULGAÇÃO

ACERVO PESSOAL

Guias / CDs - Redação Publicado em 05/11/2009, às 12h57 - Atualizado às 12h58

Sonoridade Americana

Quando os Beatles estouraram em 1964, os artistas americanos tiveram que se render aos novos sons da Inglaterra. No caso de Jay & The Americans, isto não aconteceu. O grupo baseado em Nova York seguiu com a tradição das harmonias vocais e do doo wop como se nada tivesse acontecido. Jay Traynor, Howard Kane, Kenny Vance, Sandy Deanne e Marty Sanders foram descobertos pelos legendários produtores Jerry Leiber e Mike Stoller, que conseguiram para eles um contrato com a United Artists. “She Cried” fez um sucesso enorme em 1962, mas os singles seguintes não foram tão bem sucedidos, o que motivou a saída de Jay Trainor. Em seu lugar entrou David Blatt, que para se adequar, trocou o nome para Jay Black. O novo cantor tinha um vocal quase operístico e levou o grupo a uma nova fase. “Only In America”, “Come A Little Bit Closer”, “Let’s Lock The Door” e “Cara Mia” estiveram no hit parade durante o período 1963-64. Mas desentendimentos internos e troca de produtores levaram o grupo a tentar mudar seu som, flertando com o sunshine pop e psicodelismo durante 1966-68. As tentativas não foram bem-sucedidas. Em 1969, o grupo, prevendo a crescente onda de nostalgia, voltou às raízes. “This Magic Moment”, retirada do álbum Sands Of Time, restaurou a boa sorte do grupo. Em seguida veio “Walking In The Rain”, outro hit. Ironicamente o grupo se separou logo depois disto e nestas últimas décadas os integrantes batem cartão no circuito de oldies. A recém-lançada coletânea tripla The Complete United Artist Singles dá uma boa geral na carreira do grupo.

POR PAULO CAVALCANTI

Últimos Guias CDs