Weezer - Ratitude

Raditude

Guias / CDs - Redação Publicado em 08/12/2009, às 18h48 - Atualizado em 10/03/2014, às 15h37

Weezer

Raditude

Universal

Banda se distancia mais dos fãs devotos em CD falsamente ingênuo

O que consta é que Rivers Cuomo estaria feliz e realizado, e a atual condição estaria influenciando a música que ele escreve. Isso soa óbvio em uma leitura atenta de Raditude, sétimo e mais controverso disco do Weezer. Lampejos de caos, esquizofrenia e desvio de padrão surgem aqui e ali: na nonsense “Can’t Stop Partying”, parceria com o produtor Jermaine Dupri e participação vocal de Lil’ Wayne; e em “Love Is the Answer”, recheada de referências hindus capazes de fazer George Harrison se orgulhar (ou corar de vergonha). Cuomo, síntese do nerd perturbado que deu certo sabe-se lá como, tem treinado para aos poucos quebrar seus próprios paradigmas: em Raditude, ele dividiu a maioria das composições com parceiros externos (sozinho, escreveu apenas duas). Se não influenciaram tanto na sonoridade tradicional, essas parcerias resultaram em um disco democrático o bastante para agradar até a quem nunca deu bola para o Weezer. Foi isso, ou a diversidade de produtores (quatro), ou a atitude positiva e renovada do antes perturbado frontman. Órfãos do Weezer “antigo” vão reclamar, mas nem deveriam: “(If You’re Wondering if I Want You to) I Want You To” e “The Girl Got Hot” são pérolas pop; “Put Me Back Together” remete ao clima soturno do cultuado Pinkerton (1996); “I’m Your Daddy” lembra “Buddy Holly” com pitadas de electro rock. Descompromissado em excesso e no limite da ironia, o discurso de Cuomo pode até ser confundido com ingenuidade. Mas é inegável que poucos compositores de sua geração são tão certeiros quando se dirigem ao público jovem. A questão é que os fãs de longa data do Weezer envelheceram ao longo dos últimos 15 anos. Rivers Cuomo, quase careca, beirando os 40, parece ainda um adolescente.

PABLO MIYAZAWA

Últimos Guias CDs