<b>Brothers of Brazil</b><br> <i>Melodies from Hell</i>
Divulgação

Melodies from Hell

Brothers of Brazil

Guias / CDs - Mauro Ferreira Publicado em 17/01/2015, às 18h36 - Atualizado em 19/01/2015, às 10h04

Os irmãos Supla e João Suplicy integrantes da dupla Brothers of Brazil, chegam ao terceiro álbum, Melodies

from Hell, afinados e entrosados após uma série de shows pelo exterior. O título do CD não condiz com a suave arquitetura melódica de boa parte das 14 faixas do trabalho, gravado em Nashville (Estados Unidos) com produção dos norte-americanos Jon Tiven e Jimmy Walls. Mas uma música em especial, o rock “Tudo pelo Poder”, de versos pueris e panfletários, se conecta com o passado punk de Eduardo Smith de Vasconcelos Suplicy, vulgo

Supla. Quase aos 49 anos, a serem completados em abril, Supla despontou nos anos 1980 no posto de vocalista do Tokyo, grupo que seguia a linha punk de butique e que emplacou o hit “Garota de Berlim”. Com visual à moda de Billy Idol, Supla sobreviveu ao fim do Tokyo. Engatou carreira solo como cantor, foi ator da série Sex Appeal, exibida pela TV Globo nos anos 1990, e alcançou o pico de popularidade em 2001 como o integrante da primeira

edição do reality show Casa dos Artistas, do SBT, emissora na qual atuou posteriormente no revival do programa noturno Viva a Noite.

A carreira musical dele começou a ganhar certa visibilidade no exterior a partir da formação do Brothers of Brazil

com seu irmão mais novo, João Suplicy, de 40 anos. O projeto nasceu quando os dois se juntaram para apresentar o programa Brothers, na Rede TV. Na dupla, Supla canta e toca bateria. João pilota o violão de cordas de náilon com pegada rocker e também faz vocal.Distorcido, o instrumento dele soa até como guitarra em “Never Let You Go”, destaque do repertório inédito e autoral do disco ao lado da música-título “Melodies from Hell” e de “Lucky Girl”. Escritas em inglês, em parceria com Justin G. Tentler, as letras dessas melodiosas canções ratificam que o destino principal do álbum é o mercado norte-americano. Referências vocais e instrumentais do universo pop dos anos 1950 e 1960 permeiam todo o disco. Entre balada (“Just to Fly”), rock and roll à moda primária (“Brasileiro Rock ’n’ Rolla”, com letra que enfileira menções a pioneiros do gênero) e até ska (“Domingo de Manhã”, bissexta faixa cantada em português), Supla e João Suplicy surpreendem positivamente,

esboçando no disco insuspeita maturidade musical que jamais anula a descontração embutida em temas como “Go Go, Girl” e “Malibu Barbie”, música inspirada na história real de uma festa temática sobre a boneca Barbie, em Beverly Hills – para a qual Supla foi convidado. Em contrapartida, os irmãos do Brasil extrapolam e desapontam

quando tentam cair no samba em “Bowling” com inspiração na obra-prima “Águas de Março”, do soberano Antonio Carlos Jobim, também citado em clima bossa-novista no início de “Mother Earth”. O uso de congas em faixas como “Wonderfully Clear” dá rarefeito ar latino a algumas músicas do disco, mas são as faixas do início que fazem Melodies from Hell roçar um paraíso que deve deixar nas nuvens os políticos Eduardo Suplicy e Marta Suplicy, pais dos Brothers of Brazil.

Fonte: Independente

Últimos Guias CDs