Goianos fazem estreia sólida na seara da sonoridade pós-punk.
Divulgação

Carne Doce

Carne Doce

Guias / CDs - Lucas Brêda Publicado em 19/01/2015, às 10h40 - Atualizado às 10h42

“Que é que fizemos hoje de genial?”, questiona a vocalista Salma Jô logo na primeira faixa, “Idéia” (com acento proposital), do disco autointitulado do Carne Doce. O debute da banda goiana pode não ser genial, mas revela uma busca por arranjos pouco convencionais e misturas instigantes de gêneros. Nos pontos altos – “Fruta Elétrica”, “Sertão Urbano” e “Preto Negro” –, camadas de guitarras encontram-se com batidas ecléticas e letras prosaicas, dando uma atmosfera orgânica e regional às influências do pós-punk. O álbum ainda escorrega nos exageros e maneirismos vocais de Salma, mas não perde a característica de ser uma das estreias promissoras do Centro-Oeste.

Fonte: Tratore

Últimos Guias CDs