Pulse
Josh Homme (Queens of the Stone Age), Iggy Pop (The Stooges), Dean Fertita (Queens of the Stone Age e Dead Weather) e Matt Helders (Arctic Monkeys) na capa do disco <i>Post Pop Depression</i>
Reprodução

Post Pop Depression

Iggy Pop

Guias / CDs - Lucas Brêda Publicado em 22/03/2016, às 16h01

Veterano se une a Josh Homme para melhor trabalho em décadas

Iggy Pop é um gênio que precisa ser despertado. As mais importantes obras dele surgiram de parcerias: primeiro, com os irmãos Ron e Scott Asheton no Stooges e depois com David Bowie na carreira solo. Josh Homme, o companheiro da vez, levou Iggy para gravar no deserto da Califórnia e injetou sofisticação e fantasia na abordagem despojada do ícone protopunk.

Mas a maior contribuição do líder do Queens of the Stone Age foi se encaixar melodicamente na sisudez das letras e dos vocais de um Iggy Pop de 68 anos, que pode soar contido ou exaltado, impiedoso ou inseguro, atualizando a persona parcialmente autobiográfica dos discos The Idiot e Lust For Life (ambos de 1977) – hoje um senhor urbano ex-libertino e amargurado, de reflexões ácidas e sacadas ainda infames (“As ruas estão tão frias quanto um processo judicial corporativo”, ele versa em “Sunday”).

Em Post Pop Depression, Iggy quis provar para si mesmo seu valor artístico (em “American Valhalla”, ele canta: “Não tenho nada além do meu nome”) e o resultado disso é o álbum de maior entrega e inspiração dele desde os anos 1970 – mesmo com o fôlego de um idoso.

Fonte: Loma Vista

Últimos Guias CDs