Two Suns

Intensidade e complexidade pontuam o segundo CD da cantora

Guias / CDs - Redação Publicado em 09/05/2009, às 09h07 - Atualizado em 12/05/2009, às 15h10

Bat for Lashes

Two Suns

EMI

Bat For Lashes é, na verdade, uma pessoa só: a britânica Natasha Khan. Ela usa o nome para gravar desde 2006, mas só com este segundo álbum virou um fenômeno de boca a boca (ou blog a blog, definição mais apropriada). Agora a moça de 29 anos parece estar em todos os lugares ao mesmo tempo: é comentada por Kanye West e elogiada pelo Radiohead, enquanto arranca elogios de fãs na internet. Uma explicação possível é a de que as músicas de Khan são intimistas e – quando tocam o ouvinte – pegam fundo. E é por isso que nenhum fã vai admitir, mas a sonoridade vocal da cantora fica entre a esquisitice de Björk e o metal operístico de Tarja Turunen (ex-Nightwish). Poderia ser algo pavoroso, mas o talento consegue salvar. Two Suns é um disco de camadas, que a cada audição revela um detalhe a mais – seja nas letras cheias de metáforas ou na base instrumental de cada faixa, que esconde sons climáticos tocados ou captados na rua (como o discreto som de metrô em “Glass”). O universo criado pela artista nas 11 músicas é tão vasto quanto complexo: “Peace of Mind” tem influência dos corais gospel norteamericanos e fala sobre redenção. “Daniel” usa bases eletrônicas para falar do personagem do filme Karatê Kid - A Hora da Verdade – o resultado é quase pop. A dedicaçãoao incomum é coroada com a participação de Scott Walker em “The Big Sleep”, canção lenta (e curta), puxada por piano, que fala sobre suicídio. Um fim apropriado para um disco intenso.

PAULO TERRON

Últimos Guias CDs