<b>VALEU ESPERAR</b> STP esbanja garra e pique no aguardado retorno
CHAPMAN BAEHLER/ DIVULGAÇÃO

Stone Temple Pilots

Guias / CDs - Redação Publicado em 06/05/2010, às 04h38 - Atualizado em 10/03/2014, às 14h19

Stone Temple Pilots

Stone Temple Pilots

Atlantic/Warner

Após nove anos, banda renasce com clima de estreia

A Stone Temple Pilots retornou das cinzas, e o que poderia ser uma volta melancólica (ou a evidência de um processo irreversível de decadência) é capaz de surpreender os céticos. A conta é simples: o que No. 4 (1999) e Shangri-La Dee Da (2001) tinham de soturno e agressivo, o novo disco tem de intenso e energético, uma atitude que seria de se esperar apenas de músicos estreantes. O detalhe é que o novo STP jamais soa como um grupo cujos membros já passaram dos 40 (o guitarrista Dean DeLeo faz 50 em 2011) e que coleciona causos de brigas internas e abuso de drogas – principalmente o vocalista Scott Weiland, que muitos acham surpreendente o fato de ainda estar vivo. E é a voz do frontman o grande achado: brilhante, às vezes estilizada, ela jamais remete à rouquidão quase depressiva expressada nos últimos discos. Também não há baladas de cortar os pulsos, como “Creep”, nem épicos melancólicos, como “Plush”. O clima está mais para o alto-astral incontido de rocks diretos como “Big Bang Baby” (de Tiny Music, de 1996). “Between the Lines” resume o ar de empolgação, que se estende por “Huckleberry Crumble” e “Hickory Dichotomy” – esta marcada por um riff atrevido de country e pelo baixo sempre robusto de Robert DeLeo. Havia grandes chances de essa retomada ser um vexame homérico. Não foi. É esperar para ver quanto tempo dura a trégua.

PABLO MIYAZAWA

Últimos Guias CDs