Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

4 músicas de Belchior famosas (também) na voz de outros artistas

Cantor, que faria 76 anos no próximo dia 26, teve várias canções gravadas por outros cantores; aqui, listamos algumas

Redação Publicado em 18/10/2022, às 17h16

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Belchior, entre Elis Regina e Emicida (Getty Images/Reprodção)
Belchior, entre Elis Regina e Emicida (Getty Images/Reprodção)

Belchior completaria 76 anos no próximo dia 26 de outubro. Seu legado, no entanto, segue efervescente. Além de um novo disco de Fagner em sua homenagem, o cantor cearense ainda será celebrado com um show de Paulo Netto no Rolling Stone Sessionsde outubro, na data de seu aniversário [mais informações aqui e no fim do texto].

+++ LEIA MAIS: Paulo Netto homenageia Belchior em show exclusivo no Blue Note

Show e disco são somente duas das muitas provas do tempo que o legado do cantor enfrentou desde sua partida, em 2017. Além de um intérprete potente, Belchior tinha na composição seu talento maior e várias, dentre suas mais de 100 músicas, ganharam versões na voz ou em sample nas faixas de outros artistas.

Belchior

+++ LEIA MAIS: Astro pouco convencional, Belchior fez música brasileira folk como nunca tinha sido ouvida antes

Abaixo listamos quatro músicas escritas por Belchior que você provavelmente conhece também através das obras de outros cantores.

Velha Roupa Colorida

"Velha Roupa Colorida" é um dos destaques em Falso Brilhante (1976), álbum mais vendido de Elis Regina. A letra, escrita por Belchior, vai tratar da passagem do tempo e da superação do passado pelo futuro. Aqui, o compositor traz referências literárias do passado e do presente - três pássaros, que o ajudam a expressar esta relação: The Raven", de Edgar Allan Poe; "Blackbird", dos Beatles, e; "Assum Preto", de Luiz Gonzaga.

“Como Poe, poeta louco americano / Eu pergunto ao passarinho / Blackbird, assum preto, o que se faz? /Raven, never, raven, never, raven, never, raven, never, raven /Assum preto, pássaro preto, blackbird, me responde: Tudo já ficou atrás / Raven, never, raven, never, raven, never, raven, never, raven / Blackbird, assum preto, pássaro preto, me responde: O passado nunca mais”, diz a letra.

+++ LEIA MAIS: Fagner homenageia Belchior em novo disco

Como Nossos Pais

Destaque em Alucinação, disco de 1976 de Belchior, "Como Nossos Pais" teve versão mais conhecida na voz de Elis Regina, também em Falso Brilhante (1976).

A letra critica o comportamento dos jovens diante dos desafios enfrentados em busca de liberdade, amor e autonomia, demonstrando que as agruras da adolescência e a chegada da maturidade levam o idealismo para bem longe.

+++ LEIA MAIS: Belchior: 7 músicas inéditas da época da Ditadura Militar foram encontradas em busca pelo Acervo Nacional

Apenas um Rapaz Latino-Americano

O álbum Alucinação, de 1976, ainda teria outro sucesso de Belchior, também famoso na voz de outros artistas. "Apenas um Rapaz Latino-Americano" expressaria, em letra e melodia, a vida do jovem migrante do interior que se desloca à metrópole em busca de oportunidades.

Na época, em que foi lançada, a canção e seu pragmatismo foram interpretados como uma resposta ao regime militar que operava no Brasil, bem como um contraponto à música "Divino Maravilhoso", de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Posteriormente, seria relançada por nomes como Ana Cañas, Zeca Baleiro e Engenheiros do Hawaii, e seria citada em “Capítulo 4, Versículo 3”, dos Racionais MC's

Sujeito de Sorte

Hoje é possível dizer que "Sujeito de Sorte" foi a porta de entrada de muitos jovens à obra de Belchior. Isso porque a música foi sampleada por Emicida no impactante AmarElo (2019), terceiro álbum de estúdio do rapper.

Composta em 1973, "Sujeito de Sorte" aparece na faixa-título do disco, entre as vozes de Emicida, Majur e de Pabllo Vittar. À época, o cantor cearende já estava em São Paulo e começava a usar sua poesia para provocar questões na sociedade da época. Nesse sentido, Emicida incluiu os versos abaixo em sua música:

Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro
Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro

A frase, originalmente escrita pelo poeta paraibano Zé Limeira, foi o bastante para popularizar Belchior novamente entre uma nova geração, além de inspirar hashtags e até um bloco de Carnaval no Rio de Janeiro. Posteriormente, a faixa ganharianovas versões nas vozes de Letrux e de Chico Chico.

+++ LEIA MAIS: "Belchior tinha razão": Emicida lança emocionante clipe de AmarElo com Pabllo Vittar e Majur

Paulo Netto canta Belchior no Blue Note SP

Paulo Netto irá se apresentar no próximo dia 26 de outubro no Blue Note SP para celebrar o aniversário de Belchior que faria 75 anos. A apresentação faz parte do Rolling Stone Sessions e conta com a participação especial de Marisa Orth. Ingressos aqui.

Belchior e Paulo Netto
Belchior e Paulo Netto

“Esse show terá um sentido todo especial, além de ser o lançamento do álbum, será no dia do aniversário de Belchior, que faria 75 anos. Comemoração dupla!”, diz Paulo Netto, cuja “parceria” com Belchior começou em 2011, em seu primeiro álbum Dois Animais, que já trazia no repertório a canção "Tudo Outra Vez."

Paulo vem cantando a obra de Belchior em shows desde 2012 e lança agora o disco Paulo Netto canta Belchior em todas as plataformas digitais.

Serviço

PAULO NETTO canta BELCHIOR
Data: 26 de outubro, às 20 h
Local: Blue Note - Av. Paulista, 2073 - Bela Vista
Ingressos: Eventim