Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Lista

As 200 melhores músicas dos anos 1980 segundo a Rolling Stone EUA

Separamos os destaques da lista que exalta a década mais selvagem da música

Rob Sheffield (Rolling Stone EUA) | Tradução por Pedro FIgueiredo Publicado em 24/11/2023, às 20h11

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Michael Jackson, Madonna e Prince (Imagens: Reprodução)
Michael Jackson, Madonna e Prince (Imagens: Reprodução)

Os anos 1980 foram uma década que provaram que a combinação de cabelos grandes, sintetizadores e atitude transgressora podem resultar em músicas que marcam gerações. Pensando nisso, Rob Sheffield, da Rolling Stone EUA, preparou uma super lista com as 200 músicas mais marcantes desse período.

Por aqui, destacamos um pequeno trecho da lista, separando as 10 primeiras colocadas dessa finíssima seleção. Tem Madonna, Michael Jackson e Prince. Tem também um monte de músicas que embalaram — e continuam a embalar — a juventude de muita gente. 

Veja abaixo os 10 primeiros colocados da lista:

+++LEIA MAIS: Dia da Consciência Negra: 10 álbuns para celebrar a data [LISTA]

The Smiths, "There's a Light That Never Goes Out" (1986)

Essa é uma das favoritas dos fãs do The Smiths, o baixista da banda, Andy Rourke, dizia que era a versão indie de "Candle in the Wind", clássico de Elton John. É uma música que explora a passagem subterrânea escura do coração, onde um passeio noturno de carro com um amigo é uma missão épica. (Caso você esteja se perguntando, Morrissey não sabia dirigir, então ele passava muito tempo no carro de). Moz canta sobre não ter um lar, mas inúmeros fãs ouviram encontraram um lar nesta música. 

Kate Bush, "Running Up That Hill" (1985)

Kate Bush definitivamente não era a estrela pop convencional dos anos 1970 - afinal, seu primeiro sucesso foi sobre O Morro dos Ventos Uivantes . Mas ela atingiu níveis ainda mais intensos na década de 1980, quando colocou as mãos no sintetizador Fairlight CMI, como uma cientista maluca em seu próprio laboratório. Ela transformou suas fantasias de art-rock em sonhos sonoros vibrantes como “Running Up That Hill”. Ele chegou no Top 40 dos EUA em 1985 - mas se tornou um sucesso ainda maior em 2022, passando o verão no Top 10. Soava bizarro no rádio entre Lizzo e Harry Styles, assim como já soou bizarro entre Phil Collins e Falco. Mas é uma música que pode ser ouvida inúmeras vezes sem nunca desaparecer no fundo.

+++LEIA MAIS: Os 50 melhores álbuns de rock latino-americanos, segundo a Rolling Stone EUA [LISTA]

Duran Duran, "Hungry Like the Wolf" (1982)

O Duran Duran explodiu como ídolo pop mundial com “Hungry Like the Wolf”, o hit que resumiu os anos 1980 tão perfeitamente que chega a ser um pouco assustador. A música temum estilo artístico glam-disco sexy, o arquétipo do New Romantic banger: guitarra de rock, baixo de funk, sintetizadores, os gemidos exagerados de Simon Le Bon. Essa música fez do DD a banda mais polêmica da época, com seu mix inovador de Chic e Sex Pistols. Cada detalhe é calculado para provocar, desde o som de abertura (uma risada de mulher) até o clímax (uma mulher expressando emoções ligeiramente diferentes). Mas “Hungry Like the Wolf” ainda ilumina qualquer ambiente.

The Go-Gos, "Our Lips Are Sealed" (1981)

Conheça as Go-Gos: as cinco garotas punk-rock mais legais da área, viajando em seu conversível sob o sol do sul da Califórnia. “Our Lips Are Sealed” foi o hit de estreia delas, fazendo com que todas as outras bandas parecessem terrivelmente chatas. Especialmente porque nenhuma outra banda tinha Gina Schock tocando bateria. Mas Jane Wiedlin se baseou em cartas de amor da vida real. “Eu estava tendo um romance dramático, traumático e de longa distância com Terry Hall dos Specials”, me disse em 2000. “Ele tinha uma noiva na época - hoje em dia eu não tocaria nisso com uma vara de três metros, mas eu tinha 19 anos e estava tipo, noiva, cara. Mesmo assim, a maioria dos fãs ouve isso como uma ode ao vínculo feminino. “Prefiro pensar dessa forma”, disse Wiedlin. "Mais interessante. Mas é uma música na qual as pessoas encontram seu próprio significado.”

+++LEIA MAIS: Quem são os atores que mais trabalharam com Scorsese? [LISTA]

Whitney Houston, "How Will I Know?" (1986)

A descoberta criativa de Whitney – o sucesso que todos gostaram. Embora ela tenha dominado o rádio com baladas como “Saving All My Love For You”, ela guardou seus vocais mais emocionantes para essa onda de brilho pop borbulhante e enlouquecida por hormônios dos anos 80, relaxando com letras de angústia adolescente dignas dos Smiths. (Muito próximo de “This Charming Man”, honestamente). Seu álbum de estreia a vende principalmente como uma adulta sóbria, mas aqui ela realmente parece ter 22 anos, sentindo o eterno dilema filosófico do amor-é-forte vs. Whitney lança seus gritos e rosnados e mmm-hmmms , para um golpe que refina o virtuosismo como euforia.

Public Enemy, "Bring the Noise" (1987)

Public Enemy arrombou as portas em “Bring The Noise” — seu plano mais aventureiro, radical e furioso, com a produção explosiva do Bomb Squad. “A maioria das pessoas dizia que o rap era barulho”, disse Hank Shocklee, um dos produtores. “E decidimos: 'Se eles acham que é barulho, então vamos mostrar o barulho! Mas também vamos dar a eles algo em que pensar.” “Bring The Noise” vai direto para a jugular desde as palavras iniciais: uma amostra de Malcolm X dizendo: “Muito preto, muito forte”. Chuck D explode mais alto que uma bomba, por cima do falatório de Flavor Flav. “Bring The Noise” foi lançado no outono de 1987 na trilha sonora do não muito revolucionário Abaixo de Zero(1987), mas faz uma afirmação ousada na história, com elogios a Run-DMC, Anthrax, Sonny Bono e Yoko Ono.

+++LEIA MAIS: Believe, de Cher, completa 25 anos; veja 5 versões [LISTA]

Michael Jackson, "Billie Jean" (1982)

Billie Jean” foi o hit que transformou Thriller (1982) em Thriller — a música que transformou um hit em um fenômeno. Ninguém poderia ter imaginado uma música como essa antes — especialmente porque seu single anterior era “The Girl Is Mine”. A voz de MJ soou tão frágil e assombrada, mesmo antes de você perceber o quão perturbadora a letra era, ao longo de quase cinco minutos de cordas assustadoras, bateria pesada e baixo paranóico. Ele nunca fez outro disco que soasse como “Billie Jean”, e ninguém mais fez.

Grandmaster Flash and the Furious Five, ‘The Message’ (1982)

Grandmaster Flash temia que “The Message” fracassasse. “Foi um choque”, disse ele ao Record Mirror em 1982. “No início estávamos com um pouco de medo de lançar 'The Message'. Foi um pouco verdadeiro demais. Mas tornou-se o mais famoso dos clássicos do hip-hop, um relato de guerra direto das ruas do centro da cidade dos Estados Unidos. “The Message” foi um arraso total”, disse Chuck D do Public Enemy. “Foi o primeiro grupo de rap dominante com o MC mais dominante dizendo algo que significava alguma coisa.” “The Message” parte do poema de Duke Bootee sobre a vida no gueto, com os teclados de choque futuro de Reggie Griffin e MC Melle Mel cantando: “Às vezes é como uma selva/Isso me faz pensar como evito afundar”. Como disse o Flash: “Não houve chamada e resposta, nada de feliz nisso”. Mas mudou o hip-hop para sempre.

+++LEIA MAIS: 5 polêmicas recentes envolvendo direito intelectual [LISTA]

Madonna, "Like A Prayer" (1989)

Madonna estava no centro do universo pop dos anos 1980, mas guardou seu destaque para o final da década. “Like a Prayer” é seu hit mais apaixonado de todos os tempos, quando ela se ajoelha à meia-noite para experimentar o mais divino arrebatamento em ritmo de disco. Ela usa muitos de seus disfarces favoritos em “Like a Prayer”: sacerdotisa sexual, mística hippie, festeira italiana má, penitente católica arrependida, poseur Eurotrash, noiva transando no chão, buscadora de alma gospel-discoteca. No entanto, todos parecem a mesma mulher. Leve-nos até lá, Madonna

Prince, "Kiss" (1986)

Prince passou os anos 1980 como o gênio mais incrivelmente brilhante e imprevisível do jogo. Ele manteve o mundo tentando adivinhar seu próximo movimento, enquanto todos ainda estavam atualizando o que ele estava fazendo alguns movimentos atrás. Se 1999 (1982) não é o melhor álbum da década, é só porque é Sign o' the Times (1987) — ainda uma decisão difícil. Prince tem algumas dezenas de músicas que poderiam estar no topo desta lista, mas “Kiss” é o som de Prince se exibindo, seu hit mais brincalhão e perverso, provando que ele é um dos 6 ou 7 dos melhores cantores do planeta. “Kiss” é um funk enganosamente minimalista, uma surpresa total quando chegou às rádios na primavera de 1986, após o triunfo de "1999" e "Purple Rain" , então o doce fofo de Around The World In A Day(1985). Não há nenhum baixo, dando espaço para pavonear todo o eletro-slither roxo vanguardista. Ele murmura “Você não pode ser muito sedutor” no falsete mais sedutor que se possa imaginar, guardando seus gritos loucos por sexo para o final. Quando “Kiss” alcançou o primeiro lugar, outra música do Prince ficou em segundo lugar: “Manic Monday”, dos Bangles. Mas em todo “Kiss”, ele gira com o futuro.

Clique aqui para ver a lista de 200 melhores músicas dos anos 1980 completa.

+++LEIA MAIS: Os 250 melhores guitarristas da história, segundo Rolling Stone [LISTA]