Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Bossa Nossa: Série documental comemora aniversário de Tom Jobim com homenagem ao legado do músico

Com música, nostalgia e história Film&Arts Brasil lança primeiro episódio da série Bossa Nossa em homenagem ao 95° aniversário de Tom Jobim

Redação Publicado em 03/02/2022, às 17h25

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Tom Jobim (Foto: Ana Lontra Jobim / Reprodução / Instagram)
Tom Jobim (Foto: Ana Lontra Jobim / Reprodução / Instagram)

Para celebrar um dos ritmos precursores da história da música brasileira, a Bossa Nova, o Film&Arts Brasil estreou uma série documental sobre o gênero. O primeiro episódio, de 25 de janeiro, ditou o ritmo da produção ao comemorar o que seria o 95° aniversário do músico Tom Jobim.

Com direção de Carlos Andrade e Liloye Boubli, Bossa Nossa (2021) reconta os cenários e descobertas do gênero no final da década de 1950. As histórias são relembradas por especialistas no assunto: Roberto Menescal, Carlos Lyra, Marcos Valle, João Donato e grandes nomes da MPB.

+++LEIA MAIS: O dia que Gisele Bündchen abriu Olimpíadas do Rio com desfile ao som de 'Garota De Ipanema' [FLASHBACK]

O episódio de estreia é uma nobre homenagem ao maestro, compositor e patrono da música popular brasileira, Tom Jobim. Narrado por Daniel Jobim, neto do artista, a produção apresenta releituras de clássicos e histórias sobre o eterno parceiro de Vinicius de Moraes.

“Wave”, “A Felicidade” “Águas de Março”, e “Zingaro” são algumas das conhecidas canções de Jobim reinterpretadas por Cris Delanno, ToniGarrido, Roberto Menescal, Kay Lyra e Maurício Maestro. A produção de 12 episódios retorna no dia 6 de fevereiro, às 21h30, e será lançada semanalmente aos domingos.

+++LEIA MAIS: Qual é a música brasileira mais regravada na história? (Não é ‘Garota de Ipanema’)

Ao intercalar relatos como o de Roberto Menescal sobre a música “Surfboard” - e a honra a qual sentiu após Jobim dedicar-lhe a canção - e apresentações como a de Marcos Ariel ao compor no piano um medley de “Apanhei-te Cavaquinho,” “Brasileirinho” e “Samba de Uma Nota Só,” a produção, apesar dos escassos 30 minutos, faz jus ao nome do músico.

O episódio assemelha-se à Tom: com leveza, bom humor, ritmo e melodia contagiante, o capítulo acaba com “gostinho de quero mais,” deixando no público uma mistura de saudade melancólica e gratidão por vivermos em um Brasil um dia tocado por ele.